Blog do Birner

UOL, valeu!!!!!
Comentários 33

birner

De Vitor Birner

Valeu!!!!!

Facilidade para se despedir é uma virtude que preciso desenvolver.

A vida é uma construção com muitos ciclos que se encerram.

Ao Uol, a minha gratidão pelos ensinamentos, cooperação, confiança e por ter oferecido vaga no forte time de blogueiros do esporte.

Turma do placar, agradeço pela paciência.

Chefes, em especial com quem lidei diretamente, obrigado pelos ensinamentos.

Aos internautas, minha gratidão.

Quando escrevo textos, sejam críticos ou com elogios, lhes ofereço o que gostaria de ler, sempre tentando ser construtivo.

No fb  (Vitor Birner) e no Twitter @vitorbirner divulgarei o novo endereço do blog.

A todos, bênçãos de saúde, alegria e paz!!


Dinâmica de jogo do São Paulo melhorou sem Diego Souza e Nenê
Comentários 41

birner

De Vitor Birner

São Paulo 2×0 CRB

As alterações feitas pelo treinador melhoraram a dinâmica do São Paulo no gramado. O time necessita mais entrosamento, regularidade nos jogos e elevar o padrão ao finalizar, se almeja classificação á Libertadores ou a conquista do torneio.

Com mais capricho na finalização comemoraria uma goleada no Morumbi.

O fortalecimento

Dorival optou por Marcos Guilherme e Valdívia pelos lados e Cueva por dentro na linha que atuou mais próximo de Brenner, o centroavante.

O time ganhou velocidade, força no sistema de marcação adiantado e aumentou a movimentação na frente. O desempenho foi razoavel, melhor que o de jogos anteriores, e poderia gerar a goleada.

O problema, como tem sido na temporada. foi na finalização.

A dificuldade

Brenner desperdiçou algumas oportunidades, Valdivia lances dentro da área e Cueva outro pênalti – esse no início do jogo – além de mais grandes momentos para comemorar.

O volante Hudson teria, se fosse preciso na finalização, entrado na lista da artilharia no torneio. Apesar disso, merece elogios como o destaque no resultado positivo para o clube do Morumbi.

Os veteranos

Nenê e Diego Souza entraram durante o segundo tempo. Marcos Guilherme e Brenner, ambos cansados, foram retirados do gramado.

Os veteranos afrouxaram o sistema de marcação, a velocidade do time diminuiu, o CRB teve mais facilidade na transição ao campo de frente e para investir na construção pelos lados.

O goleiro

Sidão se machucou no aquecimento e Jean atuou. Nenhuma finalização difícil  foi para o o gol e por isso participou mais nos cruzamentos.

A construção

Dorival precisa fortalecer o coletivo, aprimorar a competência do elenco na finalização e desenvolver o potencial dos atletas pouco rodados.

Os veteranos têm que elevar o padrão no gramado. É o início da temporada,  o tempo de preparação foi ínfimo, há o cansaço pela grande quantidade de jogos, mas apenas desempenho no gramado pode garantir vaga de titular em uma agremiação de futebol.

Ficha do jogo  (atualizando)

 

 


Raí mantêm Dorival e promove André Jardine
Comentários 35

birner

De Vitor Birner 

O aval

Dorival Jr continua como técnico do São Paulo. A diretoria, incomodada tal qual a torcida com o desempenho do time, nem sequer cogitou o bilhete azul.

A manutenção teve Raí, Lugano e Ricardo Rocha como protagonistas, além das participações de jogadores e mais cartolas no departamento de futebol.

Alguns atletas, depois do empate pelo Estadual, voluntariamente foram aos dirigentes e afirmaram que os tropeços não aconteceram por equívocos de quem orienta o elenco.

O futebol

O treinador precisa de resultados positivos. Será difícil para os dirigentes o manterem sob tantas críticas e tropeços dentro de campo.

Dorival sabe. Rodado, tem noção que necessita ganhar no gramado para permanecer na agremiação.

Jogos da Copa do Brasil têm mais impacto que os do Estadual e o São Paulon terá o CRB pela frente, quarta-feira, no Morumbi.

O promissor

André Jardine ganhou a promoção de Cotia ao CT da Barra Funda. Foi convidado para ser auxiliar na comissão técnica montada pelo clube (a que não é alterada depois da saída ou contratação do treinador do elenco principal) e respondeu sim.

Se nenhuma burocracia, melindre de Dorival* ou mexida improvável ocorreu nas últimas horas, será oficializado pela agremiação.

 


Corinthians foi melhor em Itaquera; atuação do árbitro merece críticas
Comentários 28

birner

De Vitor Birner

Corinthians 2×0 Palmeiras 

O time de Carille atuou melhor que o Palmeiras, apesar das dificuldades na criação.

O lance do primeiro gol, iniciado pelo coletivo e encerrado com o acerto individual elogiável, foi o mais bonito na Arena de Itaquera.

O clássico teve polêmicas, algumas difíceis de serem avaliadas no país onde os critérios são alterados e nem os jogadores de futebol têm como determinar o que é permitido dentro do gramado.

As dinâmicas

O Corinthians permaneceu mais com a bola. Fabio Carille optou pelo quarteto com movimentações diante da dupla de volantes.

Dos atletas mais adiantados, apenas Clayson permaneceu pelo lado. Jadson atuou na direita quando Romero estava no setor do centroavante. Com o paraguaio desse lado, Jadson jogou por dentro e Rodriguinho na área.

O Palmeiras conseguiu neutralizar grande parte da iniciativa da agremiação de Itaquera. Fechou quase todas as lacunas e dificultou ao oponente finalizar.

Tinha Borja como centroavante, William e Dudu pelos lados, em suma, o trio com as características para transição em velocidade, mas se equivocou no toque de bola, pouco incomodou.

Foi brilhante

No clássico disputado com elogiável  intensidade para o início da temporada, prevaleciam os sistemas de marcação.

O gol do Corinthians merece ser aplaudido. Tocou a bola com paciência, aguardou a brecha, Rodriguinho a recebeu, esbanjou categoria para conseguir entrar na área e com inteligência finalizar.

As propostas

Roger sabia que o Palmeiras necessitava mais da bola e de frequência no campo de frente. Orientou o elenco no intervalo, pôs Gustavo Scarpa na vaga de William,  além de adiantar o sistema de marcação.

Carille imaginava, recuou um pouco as linhas, congestionou o meio de campo e investiu na transição em velocidade para ampliar o resultado.

A iniciativa que antes era do Corinthians foi do Palmeiras, mas as brechas para finalização continuaram difíceis para ambos os clubes no clássico.

As polêmicas

No 1°t, Fagner acertou de propósito, com força, Lucas Lima. O meia estava na frente do lateral e entrada da área

O árbitro mandou seguir. A bola sobrou na área para William finalizar. Depois mostrou o amarelo para o lateral.

O Palmeiras reclamou. Queria a falta e cartão de outra cor. Entendi a opção da arbitragem por permitir a finalização, mas o padrão de futebol no país sugere que lance como o do atleta do Corinthians gera exclusão do gramado.

A arbitragem tinha sido generosa ao poupar o cartão para Renê Jr no início do clássico.

As reclamações do Palmeiras aumentaram no pênalti de Jailson no volante. O árbitro mandou seguir.  Após ser avisado, alterou a avaliação, colocou a bola no cal e mostrou vermelho para o goleiro.

O cartão, se foi 'apenas' pela entrada do veterano, de acordo com o critério do mostrado para Fagner era para ser amarelo, entretanto pode ter considerado que seria gol e por isso optou pela exclusão.

Lembro que Jailson quis acertar a bola, conseguiu e na sequência teve o contato forte, e Fagner, de propósito, Lucas Lima. Isso não determina quais deveriam ser as decisões da arbitragem, mas entra na avaliação.

Jadson finalizou para fora.

Depois o árbitro perdeu mais a rédea do clássico.

O andamento

Após a exclusão, o Corinthians teve a iniciativa e ditou o ritmo no clássico.

Ampliou no pênalti indiscutível, finalização de Clayson com Fernando Prass pulando na direita, reclamou no lance por avaliar que Dudu, pendurado, merecia o amarelo e comemorou o resultado positivo.

Com ou sem motivo, a concentração dentro do gramado foi gradativamente sendo goleada pelo nervosismo na  agremiação do Allianz Parque.

Ficha do jogo (atualizando)

 

 

 

 

 


Final de Libertadores em jogo único alegra cartolas e piora o futebol
Comentários 8

birner

De Vitor Birner 

A opção é política, clichê e comercial ao invés de privilegiar os torcedores e o futebol.

O padrão

A Conmebol regurgitou toda a incapacidade administrativa da entidade ao determinar jogo único em campo neutro na final da Libertadores. Pretende 'melhorar' (para esses dirigentes é aumentar o faturamento e as formalidades nos estádios) o torneio com a ideia de colonizado pela Europa.

Em suma, criatividade e noção zero do que é o futebol na América do Sul e da própria dinâmica das populações no continente. São mundos distintos dentro do mesmo planeta.

As dinâmicas

Na Europa há a cultura de viajar. As pessoas têm mais facilidade para ir a outros países.

São mais bem remuneradas, percorrem distâncias pequenas para chegarem noutras nações, as condições de transporte ganham de goleada das atuais na América do Sul, os preços dos transalados acessíveis para mais gente, e  passeiam sem a grande preocupação com a violência nas cidades.

Cultura esportiva 

A final em jogo único é positiva para o futebol da Europa.

A primeira edição da Copa de Clubes Campeões, em 55, teve o atual formato na decisão. Quando foi alterada, foi mantida na Liga dos Campeões da Europa.

A FA Cup, campeonato mais antigo do mundo (primeira final em 1872), sempre foi decidida em um jogo.

É igual a da Espanha disputa desde 1902, da Alemanha iniciada em 1956 e da França inaugurada em 1917. Citei apenas quem conquistou mundial de seleções por serem as principais referências.

A Itália é a exceção. A primeira foi em 1922 com final em jogo único, depois alteraram o formato, e hoje os finalistas disputatam a taça numa partida, com o presidente nas tribunas. no Estádio olímpico de Roma.

Na arquibancada

Nenhum lucro dos cartolas ou dos clubes compensa a frustração do torcedor que ama uma camisa, assiste aos jogos o ano inteiro no estádio que considera como casa e no ápice da temporada o punhado de burocratas os tira essa alegria.

Os cartolas, se adquirissem poder e ganhassem mai$ noutras áreas, iriam embora do futebol.

Se na Europa os investimentos nos elencos garantem o melhor da festa dentro dos gramados, na América do Sul o canto das 'hinchadas'  e a adrenalina em campo são o que há de mais precioso na Libertadores.


Crise precipitada testa Raí como diretor e promessa de Leco respaldar ídolo
Comentários 25

birner

De Vitor Birner 

Os rodados

Cueva desperdiça pênalti e duas oportunidades diante do goleiro, se equívocou no primeiro gol do Ituano,  mas contribuiu um pouco na criação.

O desempenho de Nenê oscila entre mediano e ruim.

Diego Souza, lento, mostra o pior futebol entre todos os atletas  mais vezes entram no gramado.

Se não fosse o início da temporada e o veterano precisasse melhorar a condição física, diria que falta empenho e respeito pela agremiação.

Tirando esses, Dorival tem atletas que necessitam rodagem, além de Jucilei, Petros, Marcos Guilherme e bons zagueiros.

Em suma, ou os renomados brilham, ou o treinador oferece tempo de campo para Brenner e cia, o que solicitará a paciência da diretoria e da torcida.

Tal qual o técnico afirmou ( foi apressado porque as pessoas que entendem o futebol citariam), precisava de atletas que atuam em velocidade pelos lados. Recebeu Valdívia, a opção viável que  aprovou depois de os cartolas investirem mais onde nem sequer havia prioridades para o elenco.

Em suma, Dorival Jr adiantou desde a temporada anterior quais eram as necessidades para fortalecer o time.

Recebeu outras e dois veteranos com histórico de alguns entreveros com quem os liderou.

Dinâmica ampla

Dorival precisava colocar o trio Nenê, Diego Souza e Cueva.

Se negasse, escutaria que foi teimoso e por isso estava 'respondendo' para a diretoria, e uma parte da torcida o criticaria com 'argumento' que com o trio conseguiria os resultados positivos.

O jogo no São Paulo extrapola a necessidade de acertos táticos para a  construção do coletivo. Pede que o treinador gerencie, tente consertar equívocos da diretoria na construção do elenco, e atenda imediatamente ao torcedor.

O futebol

Roger Machado afirmou que pretende montar o time mais veloz do país. Tite sempre cita a importância da transição em velocidade. Fábio Carille ganhou o último torneio de pontos corridos investindo nisso. Todos os campeões brasileiros na década tinham velocidade com a bola.

Guardiola prepara o time para se movimentar muito e valoriza a velocidade. Kloop quer o Liverpool veloz. O Bayern de Munique ganhou pela última vez a Liga dos Campeões com Ribery e Robben pelos lados. Chelsea e Leicester tinham na transição em velocidade uma grande virtude quando comemoraram as conquistas no principal campeonato do país. Poderia aumentar muito o texto mencionando exemplos de clubes que obtiveram êxito em competições e teria que procurar muito para encontrar alguns sem  e que conquistaram grandes torneios.

Esse é o atual futebol. Intenso, muito dinâmico, pouco cadenciado dentro de campo.

O Raí

Respaldo para atuar com mais atletas da base, mesmo se comprometer os resultados.

Aval pleno para poupar jogadores e manter veteranos, se atuarem no padrão atual, fora ou como opções durante os jogos.

O estadual é um laboratório onde se testa para montar o time e o elenco da temporada. Os cartolas precisam avaliar dessa forma o torneio.

Se valorizar o que vale quase nada, pular etapas e mostrar bilhete azul para o eleito como 'culpado', a diretoria igualará o padrão tradicional da cartolagem no país.

O planejamento, metodologias, propostas do técnico e de como é a construção do coletivo, tudo deve ser avaliado, por isso há na agremiação o estatuto que determina a contratação de especialistas para as diretorias.

A diretoria

Raí está sendo testado. O conhecimento sobre o futebol, o discernimento e a capacidade para decidir racionalmente sob a enxurrada de críticas pouco técnicas e que pedem a solução populistas precisam ser goleadas pelo executivo, tal qual conseguia quando atuava dentro do gramado.

O mesmo vale para Leco. Prometeu pleno respaldo ao ídolo, a crise é tão grande quanto equivocada e o presidente opta entre ouvir conselheiros e torcedores ou quem contratou para elevar o padrão do departamento de futebol.


No momento, críticas a Dorival são pouco técnicas e prejudicam o S. Paulo
Comentários 65

birner

De Vitor Birner

As individualidades

Cueva teve duas oportunidades, uma delas com certeza melhor que a de Gabigol no lance que garantiu o resultado positivo ao Santos.

Diego Souza, lento, mostrou dificuldade para ganhar dos marcadores. Aliás, desde quando chegou ao Morumbi tem no máximo desempenho comum.

Nenê quase nada construiu e não manteve a intensidade, em especial na contribuição para o sistema de marcação atuar adiantado.

O coletivo

Jair Ventura, na entrevista após o jogo, afirmou que pretendia jogar com as linhas avançadas, mas foi o São Paulo quem teve a iniciativa e mesmo atuando no campo de frente conseguiu impedir a transição em velocidade do Santos.

O gol foi na única finalização do ganhador entre as traves, de fora da área, pois o clube do Morumbi em nenhum momento permitiu que entrasse para concluir diante do goleiro.

Em suma, foi melhor na parte coletiva.

Os 'oponentes'

Depois disso, numa completa incapacidade para compreenderem o futebol, alguns conselheiros e torcedores criticaram o técnico que teve 12 dias para preparar o time e esboça uma construção positiva.

Jogam contra a agremiação.

Deveriam avaliar, pensar que Fábio Carille, antes de ganhar o estadual e obter campanha elogiável no turno dos pontos corridos, quase foi eliminado pelo Brusque na Copa do Brasil quando o Corinthians tinha 52 dias do início da temporada.

Os clubes ontem completaram 46 dias da  representação, quando nenhum jogador do São Paulo que citei estava no elenco.

Há mais: o time atuou em Alagoas, quinta-feira, pela Copa do Brasil, porque o jogo foi antecipado e a diretoria nem sequer reclamou do que prejudicou a agremiação.

Era para jogar quarta diante do Ituano pelo Estadual, quando poderia preparar o time e poupar o elenco.

A ciência

O andamento dentro do gramado forçou o técnico a mexer no time durante o 2°t, devido ao cansaço de quem saiu durante o clássico. Se quiser entender, leia o post anterior.

A construção

O elenco precisa de opções de velocidade pelos lados, as disponíveis são jogadores promovidos das categorias de base que necessitam a rodagem oferecida pelo treinador desde o início do torneio.

Quando diretoria e a torcida afirmam que pretendem aproveitar os atletas da base, está implícito que se disponibilizaram a ter paciência, a cogitarem tropeços no gramado como parte do desenvolvimento dos jogadores.

A piada

Depois de tudo isso, é sério que elegeram Dorival para as críticas pelos resultados?

A gestão

A diretoria precisa atuar. O mercado de técnicos oferece poucas opções.

André Jardine (gosto muito) tem conceitos de futebol parecidos com os do principal  treinador do clube e seria fritado rapidamente por deixar os renomados na reserva e perder jogos.

No país onde muita gente quer falar e pouca escutar para aprender, a repetição massante de clichês goleia a avaliação técnica e convence os cartolas a atenderem a grita da torcida.

Os cartolas precisam aumentar o respaldo ao Dorival e manter a paz no CT da Barra Funda.

O futebol

É impossível afirmar que Dorival conquistará torneios pela agremiação do Morumbi. Há elencos melhores nos pontos corridos e os demais campeonatos são disputados em jogos eliminatórios.

Nesse momento, se pode afirmar que são muitos os acertos do técnico, há o padrão coletivo em construção, o time oscilará, necessita ajustes como todos no país, que os desempenhos dos contratados está aquém do necessário e se os dos jogadores pelos lados não melhorarem (Marcos Guilherme é uma exceção e merece elogios pela contribuição tática) o time, seja qual for o técnico á frente do elenco, terá dificuldade para jogar com proposta atualizada dentro dos gramados.

Dois meses

É o prazo mínimo honesto para exigir rendimento técnico elogiável de atletas e times. Críticas antecipadas ou são populistas, ou plena ausência de paciência, ou de conhecimento técnico do futebol.

 


Gabigol e Vanderlei garantem alegria santista; São Paulo jogou mais futebol
Comentários 15

birner

De Vitor Birner 

São Paulo 0x1 Santos 

O Santos foi mais preciso na única finalização em direção ao gol. Vanderlei foi o craque do jogo e Gabigol merece aplausos pelo acerto de artilheiro.

A agremiação do Morumbi teve a iniciativa e ditou o ritmo, mas Cueva desperdiçou as grandes oportunidades, Diego Souza manteve o padrão aquém do necessário, Nenê oscilou e a elogiável  atuação do coletivo montado por Dorival foi pouca para ganhar dos equívocos e acertos de finalização que determinam o resultado no futebol.

O empate

Dorival Jr orientou o sistema de marcação a atuar adiantado. A estratégia foi positiva e se Cueva fosse mais competente na finalização geraria o gol.

Teve duas oportunidades na área, em ambas o goleiro Vanderlei, melbor do Santos no clássico, brilhou, no 1°t em que o São Paulo foi muito melbor na parte coletiva.

Jair Ventura atuou com Gabigol de centroavante, além de Copete e Eduardo Sasha, pelos lados, no suposto trio de frente.

Manteve o sistema de marcação recuado, por isso os atletas pelos lados puderam apenas cooperar na recuperação da bola, enquanto Gabigol permaneceu adiantado esperando os lançamentos para apostar corrida com os zagueiros.

O clássico disputado no entorno da área do Santos teve Sidão como torcedor dentro do gramado, momentos de gol apenas da agremiação do Morumbi.

O artilheiro

O clássico seguia com igual ritmo no início do 2°t. São Paulo mantinha a bola no campo de frente e conseguia finalizar.

Aos 10, o Santos que nada acertava com a bola conseguiu o necessário para  ganhar. Transição em velocidade precisa, lance elogiável de Sasha, o autor da assistência para Gabigol finalizar com muita categoria do lado direito.

A necessidade

O gol reforçou as propostas de ambos os times. São Paulo manteve a iniciativa e o Santos a retranca e os lançamentos para o artilheiro na frente.

Em poucos minutos, Dorival teve que mexer. Marcos Guilherme, um dos atletas mais fortes na contribuição coletiva, solicitou e o técnico optou por  Valdivia no gramado.

Como atua com as linhas avançadas, recompor o sistema de marcação no tempo necessário e, mais que isso, intensidade na recuperação de bola no segundo que a perde são prioridades nessa proposta de futebol.

A intensidade diminuiu sem Marcos Guilherme no gramado.

O treinador por isso mais uma vez precisou alterar a formação. Podia optar porque o trio Cueva, Nenê e Diego Souza contribuía aquém do preciso na manutenção da intensidade. O peruano cedeu a vaga ao Brenner. Pouco depois o apagado Diego Souza foi descansar e Tréllez ao gramado.

O treinador pretendia manter forte o sistema de marcação adiantado, aumentar a velocidade pelos lados, além de gerenciar a parte física após o jogo da Copa do Brasil no qual o clube se classificou.

Jair Ventura teve que alterar o time para evitar a igualdade no resultado. Sasha pelo Arthur Gomes, Renato por Leo Citadino e Copete por Guilherme foram as opções do técnico que, além da formação, ajustou o desenhos do coletivo.

O Santos atuou com 2 quartetos e a dupla Arthur Gomes e Gabigol na frente.

A dinâmica

As alterações mantiveram o andamento do clássico, mas aumentaram as dificuldades para o clube do Morumbi finalizar em condição de igualar o resultado.

O futebol

Sorte ou azar, além de equívocos e acertos dos atletas de ambos os elencos, sem benefícios do árbitro, determinaram qual agremiação mereceu comemorar  no clássico.

Ficha do jogo (atualizando)


Produto,socialite, instagrammer, atleta;Neymar joga o atual jogo do futebol
Comentários 7

birner

De Vitor Birner 

O projeto

Neymar pretende atingir o ápice que o futebol atual permite. A ida ao PSG é uma parte do projeto.

Topou abrir mão da alegria de atuar com Messi no Barcelona, onde era coadjuvante de alto nível ou um protagonista eventual e incomparável ao colega 'hermano' de elenco.

Nos clubes

Tinha situação confortável na Catalunha. Ganhou uma Liga dos Campeões dividindo artilharia com os dois melhores atletas do planeta, brilhou das oitavas se final em diante naquela temporada, e se entendia com os colegas da agremiação.

Em Paris aumentou os lucro$, as relações entre os atletas são mais difíceis e o próprio Neymar se impôs a obrigação de ser o Messi do time.

Sarrafo alto

Como você avaliará o futebol de Neymar, se o PSG conquistar o principal torneio de clubes da Europa e outro jogador do elenco for o grande protagonista?

É um esporte coletivo, merecerá aplausos, mas será, ao próprio jogador, muito pouco.

Se fosse 'apenas' para ganhar Liga dos Campeões, permaneceria em Barcelona. Mostraria a oferta que optou por aceitar aos dirigentes da Catalunha, receberia uma para renovar e a tendência era se acertarem.

A ida ao PSG é uma parte do projeto pessoal de Neymar para ser o melhor jogador do planeta.

O futebol

Em Barcelona, era avaliado como atleta solidário em campo.

Atuava pensando em contribuir e, quando possível, brilhar.

Messi e Suárez permaneciam adiantados. Tinha obrigação de recompor o sistema de marcação, recuar e formar o quarteto no meio de campo, e nunca reclamou da proposta de jogo.

Se receber as mesmas orientações no PSG para colegas terem regalias táticas como as de Suárez e Messi, não aceitará. O técnico sabe disso e tem certeza que numa queda de braço será goleado por Neymar.

O jogador alterou algumas características. Entra em campo para brilhar e, se for necessário e quiser, pode contribuir com o coletivo. A ordem de prioridades da Catalunha foi invertida na França.

Por isso, em lances que na agremiação anterior tocava a bola, agora tenta resolver na individualidade.

É o planejamento para ser o melhor do planeta. Nem monstro, nem mocinho, Neymar é o mortal jogando o jogo atual do esporte, dentro e fora do gramado.

As conquistas 

A marca do uniforme, cor e design da chuteira, corte de cabelo, a namorada, os parceiros, o carro, a música que escuta, as férias e sei lá mais o quê é oferecido por Neymar á parte do público ávida por esse monte de tolas curiosidades.

Os acertos pessoais e resultados positivos dentro de campo referendam e valorizam toda a proposta do staff do jogador, que construiu um grande ícone comercial dos tempos atuais. Ser o melhor do planeta, de preferência o quanto antes para aumentar os lucros, é indispensável ao êxito do planejamento.

Tags : Neymar


Jonas foi esquecido por Tite?O campo fala que merece ser testado na seleção
Comentários 13

birner

De Vitor Birner 

Os convocados

Gabriel Jesus é o titular e Roberto Firmino a opção de Tite para centroavante. Os dois são competentes e podem atuar na seleção.

O treinador, ciente que precisa estar preparado para algo que impeça um de ir ao Mundial, pensa em alternativas.

Uma opção

Jonas merece a oportunidade. Atuou em dois setores e manteve a artilharia em ambos. Por exemplo, não era centroavante na temporada 2015-2016, quando comemorou 32 gols e 14 assistências em 34 jogos do campeonato português.

Atuava como segundo na frente pelos lados, ou no meio e muito próximo de Mitroglou, o mais avançado na época.

Mantave os encargos na temporada seguinte, quando machucou o tornozelo (em 14 rodadas não pode jogar e depois precisou readquirir o ritmo), mesmo assim conseguiu 15 gols e 3 assistências no torneio de pontos corridos.

Na atual temporada é centroavante com  25 gols e meia dúzia de assistências em 21 rodadas.

Números elogiáveis, principalmente se lembramos que apenas em duas não comemorou acertos de finalização.

Os números de Jonas na Liga dos Campeões são piores, tais quais o da agremiação lisboeta. Além disso, disputa  uma competição nacional mais fácil que a dos preferidos de Tite.

Dos supostos candidatos a alternativa, Diego Souza, William José e Vágner Love (apenas li e não chequei para saber se pertencem á lista), apenas o que atuou pelo São Paulo joga em torneio mais forte que a do Benfica. Talvez os 34 anos que o esquecido completará em abril preocupem o técnico da seleção.

Respeito qualquer escolha do treinador  mais elogiado no país, mas creio que o artilheiro mostrou no gramado que merece ser testado e cogitado para uma das vagas que supostamente podem haver no elenco.

*Os números sobre o desempenho do atleta são do transfermarkt