Blog do Birner

Oscilações são comuns para Borja; expectativa enorme gera vaia precipitada
Comentários 46

birner

De Vitor Birner

Trajetória com oscilações

Borja saiu vaiado do campo na eliminação do Alviverde. De cabeça quente desabafou, ''porque sempre eu'',  e foi ao banco observar o restante do jogo.

No país que cultiva o imediatismo, o egoismo e o julgamento com todas as forças, tem sido criticado pelo desempenho nos gramados. Querem o atleta decisivo, que brilhou na Libertadores.

A regularidade exigida é a que as agremiações nas quais atuou queriam. O monte de transferências do atleta mostra a instabilidade nos gramados.

Teve dificuldade dentro do próprio país que nasceu.

Deportivo Cali,  Cúcuta, Cortuluá, CD La Equidad, Livorno, Olimpo, Independiente Santa Fe e o minúsculo Cortuluá investiram no centroavante, antes de se consagrar pelo Atlético Nacional na Libertadores.

Repare a montanha russa; as transferências, por si, mostram a instabilidade em campo.

Iniciou no grande, foi emprestado para três pequenos, negociado com o de porte similar na Itália, que o cedeu temporariamente ao 'hermano' de patamar igual e que nada grande ambiciona, e em seguida ao maior da Colômbia.

Depois retornou ao da segundona capaz de em 2015 subir para a elite.  Todas as transferências aconteceram nessa década.

Na agremiação que conseguiu o acesso, Borja brilhou.  Fez 19 gols, foi artilheiro, e o Atlético Nacional o contratou para ser destaque na conquista do torneio continental.

As estatísticas falam com sabedoria.  De 2011 a 2015 comemorou 27 gols.

E na temporada de 2016 conseguiu 39.  O último aproveitamento foi acima do padrão para o centroavante.

O Palmeiras, quando o contratou, provavelmente sabia das oscilações.

Apoiar enquanto aguarda o melhor rendimento

Houve atletas que brilharam em uma ou duas temporadas.  Lembro alguns apenas da lista nacional.

Dill, Ademar, Dimba, Josiel e Keirrison foram artilheiros numa edição do maior torneio de nosso país.

Alberto jogou acima da média na conquista das pedalas de Robinho em frente ao Rogério.  O então jogador do Santos conseguiu, naquela edição, o gol de bicicleta no show da agremiação diante do Corinthians no Pacaembu.

Nenhum centroavante dos citados manteve o nível.

É impossível, agora, afirmar se Borja é desse grupo dos sazonais. ou é o artilheiro da Libertadores

Teria que assistir às temporadas anteriores para opinar. Muito forte fisicamente, se mexe ao invés de permanecer dentro da área.

As oscilações podem ser técnicas, ou por problemas físicos, ou por algo pessoal, ou geradas pela falta de empenho. Esse último não tem a ver com o desempenho do centroavante no Alviverde.

Completou 24 anos em janeiro.

Podem ser de adaptação à proposta de jogo ou a nossa cultura e futebol.

Acho que a torcida, enquanto avaliar que o atleta se esforça no gramado, deve ter paciência. Sei que a expectativa e enorme.

Lembro algo simples; o Palmeiras necessita do centroavante que contribua para as conquistas.

Borja pode ser menos eficaz que o imaginado e mesmo assim agregar virtudes ao futebol da agremiação

 


São Paulo tem que avaliar eliminação como bênção; pode salvar a temporada
Comentários 73

birner

De Vitor Birner

Acima das estatísticas

As reclamações de Ceni porque o Corinthians fez gols, ambos de Jô, impedidos nas semifinais, tem embasamento nas regras do futebol.

Talvez, se fossem cumpridas, o classificado seria o clube do Morumbi.

O andamento de ambos os jogos afirmou que tal raciocínio é impossível de ser confirmado. O Alvinegro teve méritos e, em alguns lances que todos os times do planeta pretendentes às conquistas necessitam avaliar como imprescindíveis, foi mais forte.

Me refiro aos cruzamentos e à competência do sistema de marcação.

São Paulo investiu nos lançamentos por cima. tentou muitos, e raros geraram dificuldades para Cassio.  Os poucos que o oponente fez redundaram em oportunidades melhores, uma do Pablo e a de gol do centroavante.

Simples para quem acompanha o futebol

Se o Alvinegro fosse incompetente tal qual o oponente é por cima, e o eliminado mostrasse solidez como a do classificado nesses lances em ambos os clássicos, São Paulo ganharia com facilidade. Esse é o exemplo preciso para quem repete o clichê de afirmar que a conjunção subordinada casual não entra em campo.

Todos ao invés de a dupla

O acerto tem que ser coletivo. Nem adianta olhar para os zagueiros, de ambos os clubes, e despejar críticas ou elogios.

Isso é resolvido nos Centros de Treinamentos e deveria ser a prioridade para quem almejava conquistar o Estadual e a Copa do Brasil.

A eliminação abençoada para o clube

O treinador colocou o time misto na Sul-Americana. Avaliou que as conquistas do Estadual, irrelevante para o clube, e a nacional inédita para a instituição eram as mais relevantes no planejamento da temporada.

A sorte da agremiação é que o secundário oferece maior projeção e os tropeços irão forçar o técnico a investir no torneio continental e no de pontos corridos.

Os dois, desde o início, tinham que ser as prioridades. Oferecem maior projeção e as dificuldades são pouco menores para o clube festejar a classificação à Libertadores.

O técnico tinha que gerenciar jogos em seguida e agora poderá acertar o que é necessário porque haverá aumento das atividades do CT da Barra Funda

Tem que fortalecer o sistema de marcação nos cruzamentos, é urgente,  além de aumentar o repertório de lances de bola parada, o de criação e, principalmente, elevar o padrão da preparação física, pois a condução do elenco prometia atletas estourados ou cansados no início dos pontos corridos.

A referência Tite

O Corinthians ganhou a Libertadores na temporada em que foi eliminado no Estadual, dentro do Pacaembu, pela Ponte Preta. Julio César era o goleiro e Cassio foi colocado pelo técnico após o tropeço.

Antes, na conquista dos pontos corridos, houve a desclassificação diante do Tolima.

O treinador, no CT, com mais dias para ajustar a proposta coletiva, aperfeiçoou o que avaliou como prioridade e o time iniciou com uma sequência de resultados positivos.

Esses pontos a mais que os de oponentes garantiram a manutenção da liderança quando houve a queda de rendimento e o prazo para o elenco retomar o melhor futebol.

Ceni poderá fazer igual.

O treinador confirmará se, iniciando na carreira, terá capacidade de aproveitar o tempo oferecido pelos equívocos de prioridade – diretoria receia contrariar o ídolo da torcida – na preparação e gerenciamento do elenco.

Antecipando carrinhos maldosos de haters

A eliminação na Copa do Brasil foi negativa. Seria importante, para a agremiação do Morumbi, ganhar o torneio.

A conquista do Estadual é irrelevante para qualquer gigante do futebol.

Os torcedores que reclamam do jejum foram induzidos ao blablablá pelo incômodo do tropeço, ou sequer têm a plena noção de quão grande é o clube.

São 12 anos e se fossem 120 tudo continuaria igual.

O técnico Rogério Ceni tem as virtudes para extrapolar as fronteiras do país e atuar e orientar clubes da Europa. Mas há o aprendizado para atingir todo o potencial. Tite, por exemplo, era do grupo de medianos quando aceitou o convite para ser treinador no Parque São Jorge.

O próprio afirmou, em montes de entrevistas, que alterou conceitos e metodologias para se aprimorar e conquistar os maiores torneios. .

É impossível afirmar, agora, se o treinador do São Paulo conseguirá, nessa temporada, ser competente tal qual necessita a agremiação.

O resumo

Maior que a saída na semifinal foi o tropeço diante do Alvinegro, Hoje, para os gigantes, resultados nos clássicos têm impacto superior ao da conquista no Estadual.

Nesses 5 jogos do torneio, o São Paulo ganhou do Santos.  Perdeu para Palmeiras e Corinthians, e empatou duas vezes frente o clube de Parque São Jorge. Os resultados são abaixo do potencial do elenco.

Tomou 8 gols e festejou cinco.  Dispenso os números diante dos clubes pequenos para fazer avaliações da campanha. Enaltecê-los em tais jogos seria espancar estatísticas. São Paulo tem obrigação de se impor frente aos que sequer cogitam a classificação para a elite do futebol.

A goleada contra a Ponte Preta poderia ser elogiada noutro momento.

Naquela rodada tinha o treinador Felipe Moreira (Gilson Kleina posteriormente foi contratado) no Morumbi com mais de 50 mil, estreia de Ceni no estádio, e formação distinta da que eliminou Santos e Palmeiras.

Cada qual no próprio galho

A Ponte Preta pertence à elite do esporte. Os méritos são enormes por se manter ao lado de gigantes, apesar do orçamento incomparável aos de concorrentes tais quais o do tricampeão da Libertadores. Merece grandes aplausos por eliminar os clubes mais bem colocados na última edição dos pontos corridos.

Como necessita muito de troféus, garantirá a alegria da temporada, se comemorar o êxito em Itaquera.


Estatuto do S. Paulo pode vetar preferido de Leco para diretoria de futebol
Comentários 15

birner

De Vitor Birner

O novo estatuto do São Paulo impõe limites ao poder do presidente em muitos setores.  O impede. por exemplo, de referendar quem ocupará as diretorias.

O mandatário pode indicar, mas é o Conselho de Administração quem aprova o escolhido. Ou seja, antes da formação do órgão, ninguém será contratado.

Nos bastidores, Vinícius Pinotti, após elogiável gestão no marketing, é o preferido de Leco para a de futebol

Essa decisão pode ser alterada para o estatuto.

Há dois artigos que sugerem: o 124 afirma que ''os membros da diretoria executiva serão contratados do SPFC dentre profissionais que tenham notório conhecimento em suas respectivas áreas de atuação; o 106 r incumbe o Conselho de Administração da ''aprovação e indicação, pelo Presidente Eleito, dos membros da diretoria executiva e suas respectivas atribuições e remunerações, fixas e/ou variáveis.

Traduzindo para simplificar

A tendência é o Conselho de Administração reprovar a indicação, porque o estatuto determina a contratação de alguém com ''notório conhecimento em suas respectivas áreas de atuação''.

Meu palpite é que Leco,  ao notar isso, mesmo incomodado alterará a opção. O cartola apoiou o estatuto e sequer se intrometeu no que foi elaborado por especialistas, apesar de saber que a profissionalização diminuirá os poderes da cartolagem do clube-

Além disso, há uma sequência a ser cumprida. Antes de contratar os diretores, é necessário escolher os conselheiros independentes para as duas vagas restantes no órgão que será o cérebro da gestão.

O Conselho de Administração foi criado para fazer a orientação geral de plena gestão.

Fiscaliza a diretoria, formula ou concorda com políticas econômicas e estratégias de investimentos, aprova muitos tipos de contratos,, o orçamento, os nomes e salários da diretoria,  alguns de atletas, a criação e o pagamento de dívidas e de comissões para terceiros, determina qual empresa de auditoria independente fará parecer das finanças, em suma tudo que constrói o futuro da agremiação.

Os méritos e o estatuto aprovado  

Vinícius Pinotti talvez seja o mais promissor dirigentes do Morumbi. No mínimo compõe o pequeno grupo que tem tais candidatos.

Manteve a honestidade na gestão Aidar e com mais autonomia para dirigir o marketing, após Leco ser eleito, conseguiu atrair patrocinadores no momento difícil para a economia do país. Pegou a bomba de gerir o departamento arrasado que afastava as empresas.

Adquiriu experiência,  agregou ao conhecimento de mercado o de bastidores da instituição milionária amadora, entende como é a dinâmica da política, e tal sabedoria o credencia a pensar em ser  presidente.

Merece ser considerado pelos cartolas.

Tenho ótima impressão do empresário e dirigente, e sou incapaz de afirmar se adquiriu, ou não, competência para gerenciar a modalidade que faz a instituição gigante.  O enfoque do texto é o estatuto da agremiação.

Para o Chico e o Francisco

Raí foi o jogador que mais contribuiu para agigantar o São Paulo dentro de campo. Mesmo sendo Rei do Morumbi, necessitará do aval antes de ser oficializado no Conselho de Administração, Os outros dois que o presidente indicará terão que se submeter a igual aprovação.

Os três são os chamados independentes e serão nos únicos remunerados, dentro do órgão,  pela contribuição para oo clube.

A formação do grupo de gestores 

Conselho de Administração terá 9 integrantes. Leco e Roberto Natel, presidente e vice, são garantidos.

O Deliberativo tem 3 vagas. Os mais votados foram Julio Casares, Silvio Médici e Adilson Alves Martins da situação. O Consultivo com uma tende a indicar Pimenta, tal qual o candidato da oposição afirmou após a eleição.

Dois terços do órgão é composto por cartolas. Os independentes, Raí e mais dois, têm que ser aprovados pelos originários da política interna da agremiação.

 

 

 


Elenco do Corinthians é a quarta força; Fábio Carille faz o possível
Comentários 12

birner

De Vitor Birner

O Corinthians desperdiçou grandes oportunidades, as de Jô e Clayton foram as maiores, o Internacional teve mais momentos para comemorar além do único em que conseguiu o gol, e se observarmos os desempenhos de ambos podem concluir que o empate resumiu o que os clubes mostraram no gramado de Itaquera.

O mesmo raciocínio vale para o jogo anterior, encerrado com igual resultado. Os pênaltis resolveram a classificação.

Tal qual reza a tradição nacional, após a eliminação foi iniciada a caça por personagens para serem criticados. No Brasil que reverencia Rodrigo Caio pelo 'fair-play, tropeços no esporte legitimam a transformação de seres humanos em para-raios das insatisfações alheias, inclusive das que nada têm a ver com o futebol.

A competência disponível

Maycon, Guilherme Arana e Marquinhos Gabriel se equivocaram nos pênaltis.

O volante e o lateral, talvez o melhor do time nesses meses da temporada, se dedicam muito nos jogos. Marquinhos Gabriel tem que agregar intensidade e ambição para elevar o rendimento,  mas atuou apenas 10 minutos.

Nenhum desses fez como Alexandre Pato diante do Grêmio. Não houve displicência nos lances que redundaram na eliminação do torneio.

Clayton e Jô tentaram o que era necessário quando desperdiçaram gols com o jogo em andamento.

Quem cogita que a alteração de atletas geraria o resultado positivo, explique, por favor, quais deveriam entrar e sair, como garantiriam tanto o padrão técnico mais alto quanto a manutenção ou o aumento da força coletiva.

O Alvinegro, quando se avalia apenas o elenco, é quarta potência no estado. O treinador investe na estruturação tática para obter colocações melhores que as de agremiações atualmente com maior potencial.

É imprescindível para jogar a temporada

Todos sabem que o Alvinegro é mais forte quando o oponente tem a iniciativa de ir à frente.  São Paulo, Palmeiras e Santos fizeram e tropeçaram nos clássicos em Itaquera e no Morumbi.

O Corinthians, diante de clubes com menos potencial no elenco, teve mais dificuldades para ganhar.  Nem acho que o sistema de marcação do Carille é tão sólido quanto os analistas apenas de números afirmam.

É competitivo, oscila, tem margem para ser fortalecido, e inquestionavelmente terá que alicerçar a campanha do time no torneio de pontos corridos.

Se o Alvinegro for para cima da maioria dos times a tendência é ir para baixo na classificação.

Corinthians é muio mais forte na parte coletiva que na individual. Ou seja: o treinador, dentro das possibilidades oferecidas pelos cartolas, cumpre o necessário e merece elogios pelas orientações ao elenco.

A nação alvinegra e o futebol   

Pleno empenho, força coletiva e a noção do privilégio de trajar a camisa do clube gigante.

Do treinador e elenco, é isso que a torcida pode exigir.  A eliminação na Copa do Brasil será construtiva, se todos no Parque São Jorge entenderem quais são as possibilidades do grupo de atletas.  Me refiro aos cartolas e os frequentadores da arquibancada em Itaquera.  .

A margem de melhora do time é menor que a de alguns concorrentes.  Os outros gigantes em São Paulo, a dupla mineira,  o Flamengo e mais clubes montaram elencos que permitem percorrer horizonte com maiores possibilidades nos gramados.

As dificuldades e as virtudes individuais e coletivas são medidas principalmente no torneio de pontos corridos.

A agremiação com o elenco fraco e time forte, pode ganhar o mata-mata. Mas, na competição grande e que exige planejamento da temporada, grupo de atletas competentes e regularidade em campo, será impossível comemorar a conquista.

 

Onde há margem para a melhora

Na questão técnica, atletas como Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto podem se empenhar, elevar o próprio padrão, e consequentemente o do time nos gramados.

Há margem para os jogadores que subiram das categorias de base, e os que foram promovidos em temporadas recentes e pouco atuaram em clubes da elite, melhorarem na parte individual, se tiverem potencial e esforço.

A solução veloz e eficaz é contratar. A direção, tal qual mostra, tem caixa vazio para reforçar o elenco.

Essas são as possibilidades de qualquer clube que necessita competência individual para almejar conquistas.

Carille pode aumentar o repertório de lances preparados no CT, o entrosamento talvez aumente a competitividade do sistema de marcação, além de proporcionar o as alternâncias de atuar com linhas adiantadas ou recuadas, mas nenhuma construção coletiva agregará o necessário para o Alvinegro comemorar no torneio de pontos corridos.

O elenco, tal qual torcedores sabem desde o início da temporada, é o dilema da agremiação. As emoções após os êxitos e tropeços  devem ser colocados de lado pelos que pretendem reclamar dos resultados e exigir grandes conquistas.


Pedido de adiamento das eleições no São Paulo foi indeferido
Comentários 12

birner

De Vitor Birner

A juíza Rosana Moreno Santiso indeferiu o pedido de liminar para cassar os mandatos de 59 conselheiros vitalícios indicados após a antepenúltima reforma do estatuto, ou adiar as eleições de terça-feira.

O requerimento feito por Francisco Vasconcellos Pereira de Assis foi embasado na tese que as alterações foram feitas sem aprovação dos associados e por isso as decisões de diretoria no período são inválidas.

Em duas instâncias o cartola ganhou a ação porque o Novo Código Civil do país tinha entrado em vigor, exigia o aval dos sócios para acontecerem mexidas nas leis do clube e apenas o conselho foi consultado. .

No STF a ministra Rosa Weber tocou a bola adiante por avaliar que todos os trâmites para a aprovação do último estatuto recém tinham sido cumpridas.

A sentença que avaliza o pleito tem a seguinte afirmação:''Dessa forma, não há como se afastar as reformas realizas no Estatuto Social em 06-12-2016,  e se entender pela nulidade de tais reformas como se se tratassem de mera continuidade do Estatuto Social considerado nulo pela sentença proferida, pois, se assim fosse, prevalecendo o pretendido pelos exequentes, jamais poderia ocorrer qualquer alteração''.

Detalhes da eleição

Francisco Vasconcellos Pereira de Assis é conselheiro vitalício e opositor à candidatura de Leco. Apenas os integrantes do órgão podem votar.

O atual mandatário tem o 'moderado' favoritismo, mas foi grande a movimentação de bastidores na reta final e, na estrutura amadora política, onde as negociações são mais pessoais e menos técnicas que no ambiente profissional, podem haver alterações de lado.

O eleito terá 3 anos e 8 meses no cargo. O novo estatuto prevê que os pleitos serão em dezembro e por isso o maior mandato.

Os seguintes serão trienais.

O pleito ocorre às 19h30. Será o último com permissão para a reeleição de presidente. Tal possibilidade foi encerrada com a implementação do novo estatuto. A maioria simples determinará o ganhador, que terá de profissionalizar a agremiação..

Assim que for empossado, terá de gerir os departamentos sob tais normas, o que inclui a contratação de dirigentes remunerados em vez de indicar conselheiro para a gestão do futebol.

É impossível garantir, agora, que essa foi a única manobra jurídica contra o pleito. Alguém pode tentar outra, pois em cima da hora será mais complicado cassar a liminar.

O conselheiros deliberativo do Morumbi tem 240 integrantes e nem todos comparecem na eleição.

 


Corinthians foi superior no coletivo; Fábio Carille ganhou de Ceni
Comentários 24

birner

De Vitor Birner

São Paulo 0x2 Corinthians

O elenco do Ct da Barra Funda tem mais jogadores que decidem. A quantidade de contratados porque houve solicitações dos treinadores é maior no time que tropeçou no clássico.

Rogério Ceni investe em propostas coletivas distintas. Todas exigem que a iniciativa seja do time que orienta. Fabio Carille, com elenco limitado, sequer pode cogitar muitas variações porque necessita ser pragmático para manter a estabilidade alicerçada pelo sistema de marcação e os resultados positivos.

A simplicidade do Alvinegro prevaleceu contra as ambições modernas, que demoram para serem implementadas, do ídolo.  Sabia o que a agremiação do Morumbi faria e os antídotos que tinha para ganhar o clássico.

É impossível afirmar que havia reciprocidade e o São Paulo mostrou planejamento específico capaz de parar as limitadas e previsíveis opções de criação do time de Parque São Jorge.

No jogo de propostas completamente antagônicas, no choque de estilos de novatos, no duelo estratégico de Carille x Ceni, o técnico do Alvinegro prevaleceu, apesar do talento dos grupos de atletas oferecer maior possibilidade à agremiação que necessita no mínimo 2 gols em Itaquera.

A semifinal, após o clássico, tem o favorito â classificação.

As propostas táticas

Fábio Carille repetiu a proposta de futebol que investe em sistema de marcação sólido e calculismo para achar as brechar e criar os momentos de gol.  Rogério Ceni preferiu tornar o São Paulo mais capaz de finalizar.

No 4-2-3-1 do treinador que é ídolo da torcida, Wellington Nem na direita, Cueva por dentro e Luis Araújo formaram o trio em frente de Jucilei e Thiago Mendes  os volantes.   Araruna foi a opção na lateral.

No mais, nenhuma novidade. Maicon e Rodrigo Caio na zaga, o lateral Junior Tavares e o centroavante Lucas Pratto iniciaram no clássico.

Carille foi pragmático.

Jadson na direita, Maycon e Rodriguinho por dentro, e Romero no quarteto do meio de campo. O volante Gabriel completou o setor e atuou em frente à linha que teve Fagner e Arana pelos lados, além dos zagueiros Pablo e Balbuena. Jô foi o centroavante.

A mexida facilitou para o Carille

O São Paulo com iniciativa e mais frequência no campo de frente, e o Alvinegro conservador investindo na velocidade ao retomar a bola.

O andamento previsível impossibilitava, para quem assistia ao clássico, prognosticar com propriedade o resultado.

O Corinthians havia entrado uma vez na área – Rodrigo Caio impediu a finalização do oponente -, exigido a única intervenção dos goleiros, antes de o técnico da agremiação do Morumbi de novo se equivocar nas alterações.

Wellington Nem se machucou e teve que sair do gramado.

O treinador optou, aos 18,minutos, pelo Cícero, que o Fluminense quis tirar do elenco, e deslocou Thiago Mendes para a direita do trio no meio de campo.

Imediatamente houve declínio do sistema de marcação porque o contratado nas Laranjeiras, uma solicitação do novato à diretoria, foi incapaz de manter a intensidade e a concentração similares as do colega que formava com Jucilei a dupla de volantes.

A agremiação de Parque São Jorge, pelo meio, tinha Jadson se deslocando, Rodriguinho indo à frente, e Maycon avançando, se houvesse brecha.

No 1° lance que ganhou a bola no setor, Rodriguinho teve a lacuna para colocar Jô diante do Renan.

O centroavante, centímetros impedido, finalizou com precisão e festejou diante de quase 46 mil torcedores. Esse é dos lances mais fortes do time. Ceni facilitou.

Podia optar por Thomas, ou Wesley na direita, ou Neílton, ou Edimar na lateral e adiantar Junior Tavares trocando o lado de Luis Araújo.

Se escolheu Cícero, tinha que alterar o esquema tático, formar o losango no meio com os três volantes e Cueva na meia e a dupla Luis Araújo e Lucas Pratto na frente

Nem aprecio essa configuração.  dessa tática, mas era a lógica. Todos os citados nos dois parágrafos anteriores, com exceção ao que Aidar trouxe do Palmeiras, foram indicados pelo técnico para o elenco.

Alvinegro se impõe e amplia resultado

O gol reforçou as propostas que os treinadores queriam. São Paulo manteve a iniciativa, o Corinthians priorizou o bloqueio e a inteligência para investir na velocidade, porque o oponente tinha brechas e as vezes lenta recomposição do sistema de marcação.

Nos acréscimos, Rodriguinho, que havia feito a assistência, ganhou de Jucilei, a cobertura da zaga foi ineficaz, Cícero observava a alguns metros em vez de congestionar, e o volante fora da área finalizou forte no canto direito.

O bonito gol do artilheiro referendou a superioridade coletiva do time de Parque São Jorge.  O treinador da agremiação do Morumbi tinha que fazer algo para aumentar o repertório. No clássico, o impacto de diminuir o resultado poderia alterar a dinâmica dentro do gramado.

A reorganização lógica para as características

Luis Araújo saiu e Gilberto entrou após o descanso e a conversa dos técnicos com os elencos. O Corinthians manteve a escalação e a proposta de futebol. Aos 4, Jadson sentiu o joelho e Clayton entrou para otimizar a velocidade na transição e reforçar a marcação pelos lados.

O São Paulo, no 4-3-1-2,  teve Cícero, Jucilei e Thiago Mendes como volantes,  Cueva na meia, e Gilberto e Pratto na frente;

Conseguiu tomar as rédeas do clássico. Finalizou mais, apenas aos 27 minutos o Alvinegro tentou ampliar, mas o inspirado Cássio e a necessidade do clube do Morumbi fazer o gol foram minando gradativamente os atletas que incomodados pelo resultado.

Tiveram que correr muito diante dos oponentes menos cansados e mais estáveis em campo.

Carille pôs Camacho, aos 32, na vaga de Rodriguinho. Quis agregar fôlego e força ao sistema de marcação porque o protagonista cansou diminuiu o ritmo, além de investir nos lançamentos para quem atuou adiantado.

Thomas, no mesmo minuto, ganhou a oportunidade na de Araruna. Thiago Mendes foi à lateral direita.

Quase no encerramento, Romero, que acompanhou o apoio de Junior Tavares, ganhou o duelo do lateral e merece elogios pela contribuição ao coletivo.  foi substituído por Léo Jabá.

Naquele momento, o clássico tinha uma agremiação sabedora que comemoraria.

A que atuará em Itaquera como favorita à classificação.

A minha referência

São Paulo reclamou do gol de Jô. Queria a falta no início do lance, nada houve, e o impedimento que aconteceu do centroavante.

Supostamente teve outro, encerrado pelo auxiliar, quando Pratto sairia em frente ao Cassio e o resultado era de empate. Quero rever para opinar. Foi questão de centímetros e era difícil para quem impôs as regras no gramado.

Tais acertos e equívocos são irrelevantes diante dos desempenhos no clássico. O Estadual é preparação dos gigantes para a temporada.

Priorizo construções coletivas ao opinar no torneio.

Em suma, acho o desempenho, avaliando as possibilidades dos elencos, a dinâmica coletiva, mais relevantes que os resultados positivos.

Debater apito, nesse momento, é tornar secundário a pavimentação que pode gerar conquistas que satisfazem as torcidas.

Ficha do jogo

São Paulo – Renan Ribeiro; Araruna (Thomaz), Maicon, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Jucilei e Thiago Mendes; Wellington Nem (Cícero), Cueva e Luiz Araújo (Gilberto); Lucas Pratto
Técnico: Rogério Ceni

Corinthians – Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Jadson (Clayton), Rodriguinho (Camacho), Maycon e e Romero (Léo Jabá); Jô
Técnico: Fábio Carille

Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira – Auxiliares: Danilo Simon Manis e Miguel Ribeiro da Costa

 


Conselheiro da oposição quer cassar vitalícios ou adiar eleição no S. Paulo
Comentários 7

birner

De Vitor Birner

Francisco de Assis Vasconcellos Pereira, conselheiro que votará em José Eduardo Mesquita Pimenta, entrou com ação contra o clube para obter a liminar que cassa a escolha de 59 conselheiros vitalícios eleitos desde 2004 e os impede de votarem na eleição a presidente que acontecerá terça-feira.

A manobra jurídica prevê que, se não for atendido, o pleito pode ser adiado. No 'juridiquês', é o chamado pedido subsidiário.

O cartola é o mesmo que, na Justiça,  acertadamente questionou as alterações estatutárias que garantiram o último mandato de Juvenal Juvêncio , e que prejudica a instituição por entrar com outra ação após os sócios referendarem o estatuto que profissionaliza o futebol da entidade e foi implementado seguindo todas as determinações do do então Novo Código Cível.

Eleição no Morumbi 

A iniciativa pode ser avaliada como manobra para a oposição ganhar o pleito ou, na pior das hipóteses do ponto de vista das próprias pretensões, tempo, pois avalia que está em desvantagem na corrida eleitoral.

Além disso, referenda a contrariedade de antigos cartolas com a extinção de cargos políticos\estatutários (os vice-presidentes dos departamentos), que serão substituídos por profissionais remunerados.

No dia da aprovação do estatuto que entrará em vigor para o futebol quando o novo presidente for escolhido, o conselheiro Alberto Bugarib, amigo e grande aliado político de Pimenta, afirmou que o primeiro ato do grupo ao chegar no poder será invalidar a alteração.aprovada pelos sócios.

Terá que convencer os sócios a barrarem a profissionalização que recentemente referendaram.

Antes, será necessário eleger o ex-presidente e candidato da oposição, além de contrariar Abílio Diniz e Alex Bourgeois, que apoiam e contribuem para a campanha que pretende ganhar do candidato da situação.

O empresário apoia a modernização da gestão, tal qual faz o Leco, apesar de estarem em distintos lados.

Se mantida a convicção de alguns antigos integrantes do órgão e Pimenta for bem-sucedido no pleito, Abílio talvez se frustre. É favorável à modernização da gestão,  a trata como uma de suas bandeiras para a agremiação, e o candidato que pretende ver à frente do São Paulo será cobrado por pares nos quais confia a convencer os  associados a derrubarem o que aprovaram nas urnas do Morumbi.

O São Paulo não havia sido notificado até o horário até o fim da tarde da quarta-feira.

 


Dybala é comparado a Neymar; muita calma nessa hora
Comentários 12

birner

De Vitor Birner

O treinador da Juve afirmou numa das entrevistas antes do jogo diante do Barcelona, que Dybala e Neymar são nesse momento os melhores no mundo.

Ontem, no baile coletivo dos italianos, o 'hermano' foi quem individualmente mais brilhou.

No estrelado time catalão, apenas Messi teve boa atuação; Iniesta pouco fez, e Suárez sumiu em meio ao forte sistema de marcação.

Neymar acompanhou o padrão do centroavante e colega de agremiação.

Comparação tem fundamento.

Quem acompanha o futebol de clubes da Itália sabe, faz alguns anos, do grande potencial de Dybala, que desde a chegada ao país melhora dentro dos gramados.

Se mantiver o aprimoramento, a tendência é que seja indicado, ao lado de Neymar, nas futuras tolas disputas do prêmio da Fifa de craque da temporada. São candidatos a intrusos e talvez em breve sucessores na hegemonia protagonizada por Cristiano e Messi.

As distintas trajetórias dos habilidosos

Neymar, mesmo antes de poder se profissionalizar, recebia salário suficiente para sustentar a família. O Santos avaliou a capacidade da promessa e se garantiu pagando para manter o atleta.

Dybala, ao contrário, cumpriu trajetória mais dura.

O pai faleceu e foi morar no alojamento do Instituto, clube de Córdoba que o revelou, apesar de secular, pertence ao 'planeta da segundona'.

As duas principais conquistas foram em torneios de acesso à elite do futebol.

Dybala, na temporada 11\12 disputada pelos clubes que pretendiam chegar à elite 'hermana' do futebol, subiu para o elenco principal e rapidamente mostrou potencial. Fez gol diante do Rosario Central e jogou contra o River Plate (apenas para citar as agremiações mais tradicionais), que haviam sido rebaixados da principal divisão.

Quando tinha 17 anos o Palermo adiantou 3,5 milhões de euros para garantir a contratação. Aguardou completar a maioridade para inteirar os 12 milhões de euros pelo atleta que sequer atuou na elite 'hermana' do futebol.

Mostrou potencial assim que chegou à Itália, mas oscilou bastante, tal qual acontece com atletas de pouca rodagem e que necessitam adaptação. F oi titular 11 vezes, entrou durante outros 16 jogos e fez 4 gols.

Assistiu dez na reserva e o clube foi rebaixado.

Na Série B, conseguiu ter mais oportunidades. Iniciou 26 vezes no time principal, festejou 5 gols, 6 assistências e o retorno à elite do esporte.

Mais adaptado, se transformou no pilar do Palermo na temporada na 1° divisão.

Iniciou em 34 jogos, nunca foi substituído, comemorou 13 gols, fez 10 assistências e a Juve decidiu priorizar a sua contratação.

Fecharam negócio por 30 milhões de euros.

Na gigante, em 34 atuações no torneio de pontos corridos, conseguiu 19 gols e 9 assistências, e festejou um diante do Bayern de Munique na Liga dos Campeões.

Na atual temporada. além do desempenho elogiável no 'calcio', tem 4 gols no torneio continental; decidiu o jogo de Turin nas oitavas de final diante do Porto (1×0), e dobrou os acertos frente o Barcelona, o que pode ter classificado o time à semifinal.

Mais almejado no mercado de contratações  

Dyballa receberá ofertas das agremiações  mais endinheiradas do planeta. A dupla de gigantes na Espanha deve se candidatar.

A imprensa internacional afirmou que o Madrid, em janeiro, ofereceu 90 milhões de euros e Morata, avaliado em 30 milhões de euros, e a Juve recusou a fortuna.

O 'hermano' é o mais habilidoso do elenco. Tem grande potencial para ser atleta do topo da lista dos mais habilidosos dessa geração.

A direção dos italianos acertou.

Além de aumentar a possibilidade da conquistas, receberá propostas maiores.  Dyballa, seguido por Aubameyang, tende a ser o atleta mais cobiçado na aquecida janela de transferências do verão europeu.

Têm que continuar subindo os degraus

Dybala pode atuar como centroavante, pelos lados no ataque, ou no meio próximo da área.

É habilidoso, veloz, tem leitura de jogo, se mexe com facilidade para otimizar o sistema de criação, além de mostrar grande competência nas finalizações.

Neymar nasceu um ano, nove meses e 10 dias antes do 'hermano'.  Atua no time com proposta de futebol mais ousada e menos sólida que a do concorrente.

É complicado afirmar qual será mais aclamado.

O barcelonista tem o repertório de dribles maior, apesar de ambos serem fortes em tal fundamento. O revelado no Santos ganha, ao menos por enquanto, na virtude da imprevisibilidade construtiva nos gramados.

Outro ponto favorável ao Neymar é manter por mais jogos, apesar de oscilar, o alto nível de futebol.

 

A comparação, que muitos tal qual o técnico da Juve devem repetir, é cruel. O nascido aqui nunca teve que encarar uma segundona, e desde cedo tem privilégio de jogar em times com estilos que o favorece.

Teria que ver o concorrente atuando na liga da Espanha por uma das duas agremiações gigantes. Assim teria referência.

Na Itália os clubes são menos técnicos e os sistema de marcação mais fortes.

Hoje, Dyballa está para Neymar tal qual o atleta do Barcelona ao Cristiano e o Messi.

A distância diminuiu consideravelmente, quer alcançar, pode conseguir e é necessário fazer mais antes de chegar ao patamar igual.


Tite vai à Europa para ver David Luiz, Fabinho e Rafinha
Comentários 6

birner

De Vitor Birner

Tite irá para a Europa avaliar o futebol de Rafinha, David Luiz e Fabinho. Deve permanecer duas semanas no continente.

A assessoria informa que provavelmente viajará no dia 21,  mas a data pode ser alterada. O técnico assistirá aos jogos do Bayern, Chelsea e Mônaco, clubes desses jogadores.

Na lista montada pelo técnico há 56 'chamáveis'. Todos os do trio podem ser convocados. Antes, quer vê-los atuando nas agremiações.

Os auxiliares irão para mais nações do planeta.

Haverá observadores para Taison e Giulliano, além de outros na China atentos ao Oscar, Ricardo Goulart e Elkesson. O treinador pretende  futuramente, ir ao gigante país asiático para tirar mais conclusões nessa etapa de construção do time e do elenco.

Mais de uma

Lembro que, em dezembro, Tite assistiu o zagueiro dos 'blues'.

A repetição mostra a tendência de convocá-lo em algum momento, ou, no mínimo, acha que tem apreço pelas virtudes capacidades do atleta. Será curioso ver o técnico que raramente é contestado chamar quem é muitro criticado pela torcida.

Ou David Luiz sabe jogar bola, ou o o treinador, que raramente se equivoca ao fazer as opções, tropeçará na convocação.

Troféus e liderança do torneio inglês  

David Luiz atuou no Benfica no ano em que os lisboetas encerraram a hegemonia do Porto que havia festejado as quatro edições anteriores do troféu mais almejado no país. Foi eleito o craque daquele êxito.  Além disso, ganhou Taças da Liga de Portugal.

No Chelsea, comemorou a Liga dos Campeões, a FA Cup e a Liga Europa.

Na França, conquistou três Copas da Liga,  duas Copas do país,  mais duas edições do principal torneio nacional, o de pontos corridos

É inegável que tem uma carreira com êxitos.

Antonio Conte, mestre de sistemas de marcação, técnico do líder na Premier League. iniciou com o atleta na quinta rodada no time principal e desde então são  27 seguidas da Premier League em que nunca o o substituiu.   Acha que o jogador merece elogios pelo futebol.

A necessidade e os encaixes distintos 

Os esquemas táticos principais que o italiano implementou foram o 3-4-3  e o 5-4-1, que se completam.

A chamada flutuação acontece com os atacantes pelos lados recompondo o meio de campo, e os alas no setor recuando à lateral para formarem o quinteto na linha dos zagueiros, especificamente nos momentos em que o oponente mantém a bola no campo de frente.

David Luiz atua no trio de zaga, por dentro. .

Tite opta pelo 4-1-4-1.

Conte jogou assim em 5 rodadas, todas seguidas e no início da Premier League. David Luiz, na quinta e sexta, fez a dupla com Cahill que atuou do lado direito.

A agremiação ganhou do Liverpool em Londres, depois foi ao Emirates, diante do Arsenal, e comemorou o resultado positivo.

Tite, por preferir tal desenho, pode ter precaução ao chamar o zagueiro. Meu palpite; em algum momento o convocará e nos Cts concluirá quanto pode agregar nessa proposta de futebol.

 


Fifa deveria retirar o Mundial da Rússia; é melhor para o futebol
Comentários 51

birner

De Vitor Birner

A realização do Mundial na Rússia é mais uma daquelas opções que fazem a gente compreender a Fifa. Foi decidida na gestão de Blatter e Valcke, atualmente impossibilitados de continuarem à frente da entidade, investigados pelo FBI.

Havia motivos aos montes para a escolha de outra sede. Concorreram as candidaturas conjuntas de Holanda/Bélgica e Portugal/Espanha, além da Inglaterra, todas nações mais democráticas, a maioria com plena cultura de futebol.

No 'segundo turno', o país que saiu da União Européia foi derrotado pelo que deveria ser a última opção entre os postulantes.

Mas é simples saber o que motivou os cartolas.

Além da suspeita de compra de votos que os norte-americanos querem comprovar desde o governo de Obama (aguardo para saber se haverá alguma alteração de rumo, acho que será mantido, após a saída do líder e a eleição do radical nacionalista), a nação ganhadora atende aos requisitos que pautaram a escolha anterior e que deveriam convencer os cartolas a optarem por outros candidatos.

Azarão pela ética

Países dispostos a investirem a maior verba possível em arenas, ou seja, os menos estruturados para a recepção do torneio, têm maior possibilidade para ganhar a eleição.

A falta de mecanismos de fiscalização dos governos, que facilita o superfaturamento de obras e o pagamento de propinas, deveria ser alicerce da opção que faz a entidade, mas houve menosprezo dessa referência que contribuiria para a credibilidade dos que gerem o futebol.

Os russos, segundo o último relatório da Transparência Internacional, são os 131° no ranking da honestidade. Empatam com os ucranianos e têm o pior índice das nações na Europa.

O Brasil está 52 colocações acima no ranking dos mais éticos

Ou seja, o pior é melhor, desde que tenha grana. seja fácil movimentá-la, haja pouca fiscalização prática e muito diálogo dos políticos com os cartolas.

As prioridades para a sociedade, tal qual os crentes no legado e os críticos da política nacional perceberam tardiamente no Brasil, foram secundárias e menosprezadas pelos dirigentes na eleição..

Os líderes em honestidade são a Dinamarca e a Nova Zelândia que somam 90 pontos dos 100 possíveis para a medição. A Holanda (8°) conseguiu 83, a Bélgica (15°) 77,  Portugal (29°) 62, Espanha (41°) 58 e o Reino Unido* (10°) tem 81.

A pontuação do Brasil é 40 e a da Rússia apenas 29. A Venezuela é a única da América do Sul com classificaçãom pior que a do país sede do torneio.

A Fifa que mina o esporte

O Mundial é o torneio de confraternização. Foi, outrora, o choque de escolas e de excelência técnica do esporte.  Ninguém sabia o que havia nos gramados doutros países.

A competição apresentava os jogadores para o planeta nada globalizado e misterioso no futebol

Isso acabou. Há clubes mais fortes que qualquer seleção, temos acesso aos jogos para conhecermos os atletas, e houve a  mistura de propostas de futebol. .

A confraternização e o convívio de torcedores provenientes de culturas distintas são o que há de mais rico no atual momento do torneio.

A Rússia caminha na contramão.  O governo populista, nacionalista, apoia a legislação que agride a urgente necessidade da harmonia coletiva.

O presidente, nesse ano, assinou a lei que abranda punições aos que cometerem violência doméstica. Apenas quem forçar a esposa a ser hospitalizada ou for reincidente pode ser condenado a algo além de multa.

Os homossexuais são mais um grupo que necessita conviver com os preconceitos de Estado.

O Ministério da Saúde propôs, ano passado, regulamentar a especialização no diagnóstico da ‘desordem de identidade de gênero e preferência sexual', e o tratamento do que avalia como patologia. Acha que há merecedores de internação compulsória.

Divulgação o que chamam de propaganda gay’, e apoio de heterossexuais aos direitos de quem tem outra preferência sexual são proibidos.

Filmes que falam de política, de acordo com o viés, podem ser censurados, os memes com as figuras de chefes de estados são vetados, e há outras restrições ao direito de opinar e contrapor o establishment.

Mas o racismo 'pode' ser cultuado  

Brian Idowu, zagueiro nigeriano. afirmou ao sair do clube que sofreu por isso nas categorias de base.  Foi avisado que não subiria ao time principal por ser negro, e como os gays é rejeitado.

A direção do time negou.

Quatro anos atrás, houve o manifesto de uma torcida do Zenit São Petersburgo, no qual mostrou orgulho de o clube grande nunca ter atuado com afrodescendentes ou homossexuais.  Hulk e o belga Axel Witsel foram contratados dois meses antes do manifesto e provavelmente motivaram o mesmo de conteúdo do mais puro fascismo:

Leia a carta que divulgaram

''Nós não somos racistas, mas a ausência de jogadores negros na escalação do Zenit é uma importante tradição que enfatiza a identidade do clube e nada mais.

Nós como o clube mais setentrional das grandes cidades europeias nunca compartilhamos a mentalidade da África, América do Sul, Austrália ou Oceania. Nós apenas queremos jogadores de outras nações eslavas, como Ucrânia e Belarus, assim como dos países bálticos e Escandinávia. Temos a mesma mentalidade e histôrico e cultura como estas nações.

Grande parte desses campeonatos é jogada em climas duros. Nessas condições, às vezes é difícil para os jogadores técnicos de países quentes exibirem seus talentos no futebol de forma completa. Queremos jogadores mais próximos da nossa alma e mentalidade para jogar pelo Zenit. E somos contra a inclusão de representantes das minorias sexuais no time''.

Eis uma reportagem da BBC quando o Liverpool foi atuar diante do clube.

O lucro em detrimento da educação

A realização do torneio na Rússia facilita a propaganda política de governantes. Talvez mostre ao planeta as edições com o que há de positivo no país, e esconda manifestações de preconceito. Essa tática é antiga e parece continuar na moda.

Foi usada pela URSS e EUA na guerra fria, e por nazistas, todos promovendo as Olimpíadas. A ditadura 'hermana' sediou o Mundial e conquistou o torneio.

O ideal seria os cartolas da Fifa perguntarem, a si próprios, para quê serve o futebol, além de oferecer lucros políticos e econômicos à entidade e gestores.

Utopia porque seres humanos preferem

Sei que o Brasil é racista, conservador, homofóbico, machista e provinciano no debate que ensina o convívio.

Isso tem a ver com a cultura e a educação, e será encerrado quando as pessoas entenderem que têm o direito de não gostar e a obrigação de respeitar. Institucionalmente, a legislação é retrógrada em muitos pontos, mas preserva direitos que a Rússia restringe.

Solidariedade, indulgência, caridade e perdão alicerçam a harmonia coletiva, nascem dos indivíduos e o Estado tem que fomentar tais virtudes agregadores, positivas e construtivas.  .

Os vetos ao culto do ódio e inclusão dos direitos são relevantes para abrandar as mazelas que dificultam os avanços da sociedade.

O ideal seria vivermos no planeta de amor, honestidade, e nenhuma lei; do egoísmo extinto, e de plena paz a todas as espécies da natureza.

Enquanto mantivermos o antropocentrismo, origem do egoísmo, corrupção e de tudo que torna a existência uma guerra de conquistas tão épicas quanto primitivas, a sociedade continuará empacada ou terá minúsculo caminhar à frente fantasiado de grande avanço para o coletivo.