Blog do Birner http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br Bastidores, análises e muita informação sobre sobre os principais assuntos do mundo do futebol. Sun, 28 May 2017 08:00:42 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Ceni foi humilde e competente para ganhar o duelo tático de Cuca http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/28/ceni-foi-humilde-e-sabio-para-ganhar-o-duelo-tatico-de-cuca/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/28/ceni-foi-humilde-e-sabio-para-ganhar-o-duelo-tatico-de-cuca/#comments Sun, 28 May 2017 08:00:42 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2714 De Vitor Birner

São Paulo 2×0 Palmeiras

O clássico foi redentor para o clube do Morumbi. Ganhou o clássico diante do Palmeiras que, todos sabem, tem o melhor elenco e pertence ao grupo dos favoritos à conquista do torneio.

O jogo teve mais ingredientes para a torcida. A maioria rejeita o Michel Bastos, que atuou desde o início. Jean, ex-atleta do clube e exímio cobrador de pênalti nas últimas temporadas, desperdiçou a oportunidade para igualar quando o resultado era 1×0.

Rogério Ceni acertou muito mais que Cuca. Houve, na prática, a inversão de papéis de novato e do experiente campeão.

Lucas Pratto brilhou em ambos os gols.

Fernando Prass se equivocou nas duas finalizações. O goleiro não pode ser o cerne de quem critica o desempenho do Alviverde. Outros atletas renderam pouco, o São Paulo foi mais intenso, competente e inteligente na parte coletiva.

Humilde ao elaborar 

O Palmeiras ofereceu a bola para o Internacional no Allianz Parque e, nas transições velozes à frente, construiu oportunidades e o gol. Tomou iniciativa diante do Tucumán e os ‘hermanos’ conseguiram muitas finalizações.

O treinador, ciente que o Alviverde tem o melhor elenco, necessitava recuar todas as linhas e optar pela proposta de futebol distinta da que insistiu na maioria dos jogos.

Entendeu e orientou o sistema de marcação a alternar as tentativas de retomar a bola alguns metros à frente ou atrás da linha divide o gramado, em vez de na área do oponente como quer implementar desde o início da temporada.

Cuca aceitou a oferta .

O Alviverde permaneceu mais no campo de frente e ditou, em vão, o ritmo. Tinha que achar as brechas para ultrapassar o sistema de marcação, mas foi incapaz e tocou de lado.

O São Paulo, ao retomar a bola, investiu na velocidade para finalizar.

As escalações e o posicionamento determinaram o ‘nó tático’. Mina e Juninho pelos lados e Felipe M por dentro formaram o trio diante do Fernando Prass. O Mayke e o Michel Bastos, que têm dificuldades nos desarmes, apoiaram muito e abriram avenidas para Cueva e Luís Araújo.

O zagueiro colombiano teve que cobrir os avanços na direita e perdeu alguns lances na corrida para o atleta que subiu das categorias de base.

O peruano cooperou no sistema de marcação e tecnicamente foi o menos produtivo do time no meio de campo para a frente.

Marcinho, na ala-direita do São Paulo, apoiou menos, mas foi o autor assistência para Lucas Pratto finalizar e comemorar.

Prass, Jean, Araújo e Lucas Pratto 

O goleiro se equivocou porque tinha de fechar o ângulo e havia pequena lacuna entre si e a trave. Sobrou categoria para o centroavante. Não era simples acertar. Merece ser tão elogiado quanto o veterano pode ser criticado especificamente no lance do gol inaugural.

No outro, Prass tinha como tocar na bola após a finalização de Luis Araújo.  Lucas Pratto de novo foi o protagonista do acerto. Se mexeu e conseguiu a brecha para a assistência precisa, que permitiu ao colega a finalização apenas com o ídolo do Palmeiras em frente.

Jean chutou o pênalti para fora. O empate, naquele momento, poderia ‘convencer’ o São Paulo a avançar todas as linhas e alterar a dinâmica do clássico.

Cuca poderia ter optado por distinta escalação

O lance aconteceu porque Guerra saiu,  Keno entrou e conseguiu o toque para Michel Bastos confundir Lucão e a bola sobrar ao Jean, derrubado por Jucilei. O substituto tem a velocidade e o drible para tentar otimizar o sistema de criação e transformar a permanência com a bola em algo construtivo para o Alviverde.

A formação inicial e a estratégia do técnico foram ineficazes. Preferiu atuar com Willian de centroavante. Na meia optou por Dudu e Guerra,  que sabem apoiar pelas beiras do campo, mas preferem jogar na diagonal e triangular com os laterais ou os atacantes pelos lados.

Ninguém foi colocado pelos lados do ataque. Mayke e Michel Bastos foram os encarregados de apoiar e alargar o sistema de marcação do oponente, onde poderiam tentar as triangulações com os colegas do elenco.

O lentidão de ambos na recomposição sobrecarregou os zagueiros.

Jean e Tchê Tchê, por dentro, tentaram criar e entrar na área para finalizar. Houve pouca fluência pelos lados, além de atletas competentes para o cabeceio na área de Renan, e inspiração individual e coletiva.

Borja foi algoz do São Paulo na Libertadores, aumentaria a estatura, e Willian poderia atuar aberto para o time ter profundidade e repertório. Sei que o improvisado merece a oportunidade porque rendeu mais que o colombiano na temporada.

Me refiro especificamente ao que o clássico exigiu. A formação inicial, diante de times com atletas menos velozes e técnicos, pode ser eficaz, desde que haja maior entrosamento dentro de campo.

São Paulo teve mais força coletiva

No início o time do Morumbi foi para cima e o Palmeiras em velocidade conseguiu a finalização. Foi o único momento no qual houve muitas lacunas para Dudu e cia atuarem com facilidade.

Maicon, Rodrigo Laio e Lucão, o trio de zaga, ganharam o auxílio da parede de atletas no meio de campo.

Jucilei foi o melhor no setor. Cícero cumpriu o necessário, Cueva recuou para a recomposição. Junior Tavares e Marcinho entenderam quando deviam ser alas ou laterais.

Isso garantiu para o sistema de marcação a tal da compactação ausente nas eliminações em outros torneios.

Conseguiu ser eficaz nos cruzamentos. Nem me lembro quando, tomando ou não o gol,  o time orientado pelo treinador atual foi competitivo para desarmar por cima, tal qual mostrou no clássico.

O Palmeiras tinha que investir mais nessa vulnerabilidade, inclusive se foi diminuída ( saberemos durante o torneio). que é a alternativa mais comum no atual futebol.

Resolvido com futebol

Os responsáveis pelo cumprimento das regras foram competentes. Acertaram nos lances que poderiam alterar o que houve em campo.

O São Paulo reclamou o pênalti de Felipe M, que tocou com a mão na bola, mas houve a falta de Cícero na disputa por cima.

O que enxergou no Jean foi inquestionável. Manteve o cartão, Jucilei tocou no volante, no bolso porque tem de seguir os critérios que os burocratas querem implementados nos gramados.

Avalio como equívoco o amarelo para Mina.

No clássico, ninguém reclamou de impedimentos ou citou o trio, o que é atípico no país.  Apenas os jogadores e treinadores construíram o resultado favorável à agremiação do Morumbi.

Ficha do jogo

São Paulo – Renan Ribeiro; Lucão, Maicon e Rodrigo Caio; Marcinho, Jucilei, Cícero e Junior Tavares; Cueva (Thomaz), Luiz Araújo (Chávez) e Lucas Pratto (Éder Militão)
Técnico: Rogério Ceni

Palmeiras – Fernando Prass; Yerry Mina, Felipe Melo (Borja) e Juninho; Mayke, Jean, Tchê Tchê e Michel Bastos; Alejandro Guerra (Keno) e Dudu: Willian (Róger Guedes)
Técnico: Cuca

Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS) Assistentes: Elio Nepomuceno de Andrade Júnior e Rafael da Silva Alves

]]>
18
Conquista diante do ‘favorito’ Chelsea não ilude; Wenger tem que mudar http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/27/conquista-diante-do-favorito-chelsea-nao-ilude-wenger-tem-que-mudar/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/27/conquista-diante-do-favorito-chelsea-nao-ilude-wenger-tem-que-mudar/#comments Sat, 27 May 2017 21:59:55 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2712 De Vitor Birner

Chelsea 1×2 Arsenal

O otimismo do torcedor do Chelsea era muito maior que o dos ‘supporters’ dos Arsenal. A temporada do campeão da Premier League foi muito melhor que a do quinto colocado.

Nas duas últimas rodadas Antonio Conte poupou atletas, pois havia garantido a conquista, enquanto Arsene Wenger  teve que colocar os principais no gramado para tentar, em vão, classificar o clube à Liga dos Campeões.

O time elogiado tinha os principais jogadores disponíveis para a final da FA Cup e o criticado necessitava gerenciar ausências de machucados e suspensos, em especial atrás, o que forçou o técnico questionado a promover o retorno de Mertesacker após mais de um ano fora dos campos e optar pelo 3-4-3 similar ao sistema de jogo de Conte.

Baile e irregularidade

O andamento contrariou o que houve durante a temporada. O Arsenal ditou o ritmo, frequentou muito mais o campo de frente, e construiu os momentos de gol.

O que comemorou, aos 5 minutos, foi irregular.

Alexis Sanchez, após tentar o lançamento para Ramsey, disputou na entrada da área, a bola tocou no peito e no braço do atleta antes de sobrar para finalizar diante de Courtois.

O lance mostra como os adendos nas determinações do que é impedimento driblam a a própria regra e o futebol.

Ramsey, alguns metros adiantado, foi na direção da bola, depois notou que o colega de clube tinha condição melhor, parou e permitiu a finalização.

É óbvio que participou do lance, tal acontece em tantos que hoje são permitidos, mas apenas se o atleta disputasse a bola haveria o impedimento, afirmam os gestores do esporte.  O gol tinha que ser invalidado apenas pelo toque no braço do artilheiro.

Os ‘blues, apesar do resultado, foram incapazes de alterarem o andamento.

O oponente continuou melhor. Construiu oportunidades, acertou a trave, Cahiil conseguiu tirar em cima da linha após Ozil finalizar e antes de Welbeck embaixo do travessão tocar para dentro, e apenas uma vez o Chelsea incomodou.

Mertesacker no carrinho preciso bloqueou a tentativa do Diego Costa dentro da área.

Simulação, bobeiras, Giroud e a comemoração  

O Chelsea, após o descanso dos atletas e papo com Antonio Conte, ‘entrou’ no jogo. Conseguiu empurrar o Arsenal para a área de Ospina e ditou ritmo em busca da igualdade.

Isso abriu lacunas no sistema de marcação para o time de Wenger, na transição em velocidade, ampliar o resultado.

O andamento dizia que era impossível saber quem mexeria no placar. Os ‘blues’ tinham a bola no campo de frente, conseguiam finalizar, e o oponente construía alguns momentos ao retomar a bola e investir nos lances diretos para o gol.

A exclusão de Moses facilitou previsões.

Tentou simular uma penalidade, tinha o amarelo, recebeu outro, e o Chelsea necessitava igualar. Restavam 23 minutos e os acréscimos para o encerramento.

Como o assunto é futebol, nem sempre tudo é tão simples e lógico. Diego Costa conseguiu empatar.

O centroavante, após o cruzamento, parou a bola na área e finalizou. Houve o desvio na zaga, que dificultou para Ospina e redundou na alegria do artilheiro.

 

As expressões dos atletas e torcedores do clube grande eram de abatimento e preocupação após a igualdade.

Liverpool  Arsenal e o Manchester United formam o trio dos maiores no país. O Chelsea – apesar de ter a Liga dos Campeões almejada no Emirates necessita mais para alcançar o patamar dos citados – tinha que recuar e investir no sistema de marcação sólido e contra-ataque eficaz que mostrou durante a temporada.

Wenger tirou Welbeck e pôs Giroud logo após o gol. O francês, na primeira vez que tocou na bola, conseguiu a assistência precisa para o Ramsey cabecear e festejar.

O Chelsea foi mole. A concentração que manteve em 38 rodadas na Premier League foi esquecida pouco mais de um minuto após conseguir o improvável empate.

O impacto do acerto de ganhador e equívoco de quem sonhou com o ‘double’ tornaram fácil a manutenção do resultado para a maior agremiação.

Técnico tem que alterar o planejamento

Os dirigentes não confirmaram se Wenger continua no clube. São 13 anos de jejum na Premier League.

Os reforços indicados pelo treinador renderam menos do que o time necessita. Recusou contratações em janelas de transferências, o clube manteve a grana e o elenco se mostrou incapaz de ganhar o torneio de pontos corridos e a Liga dos Campeões.

Merece enorme admiração porque montou times muito competitivos, alguns brilhantes como o do genial Henry mas, se permanecer, o número de acertos tem que aumentar.

A construção essencial do futebol solicita que nenhum personagem seja colocado acima de qualquer grande agremiação.

 

Ficha do jogo

Arsenal – David Ospina; Rob Holding, Per Mertesacker (cap) e Nacho Monreal; Hector Bellerin, Aaron Ramsey, Granit Xhaka e Alex Oxlade-Chamberlain (Francis Coquelin); Alexis Sanchez (Mohamed Elneny), Mesut Ozil e Danny Welbeck (Olivier Giroud)
Técnico: Arsene Wenger

Chelsea – Thibaut Courtois; Gary Cahill (cap), David Luiz e Cesar Azpilicueta; Victor Moses, N’Golo Kante, Nemanja Matic (Cesc Fabregas) e Marcos Alonso; Eden Hazard e Pedro (Willian); Diego Costa (Michy Batshuayi)
Técnico: Antonio Conte

Árbitro: Anthony Taylor – Auxiliares: Gary Beswick e Marc Perry

Público – 89,472

 

]]>
1
Gabigol poderia refletir sobre G. Jesus; ano passado dividiam preferências http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/24/gabigol-poderia-refletir-sobre-g-jesus-ano-passado-dividiam-preferencias/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/24/gabigol-poderia-refletir-sobre-g-jesus-ano-passado-dividiam-preferencias/#comments Wed, 24 May 2017 08:50:17 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2693 De Vitor Birner

Em igual patamar

Em maio, ano passado, o país comparava o Gabriel revelado no Santos com o que atuava no Allianz Parque.  Havia opiniões distintas sobre qual tinha mais potencial.

O mercado, nem sempre sábio, acreditou em ambos e respondeu que o do Alviverde merecia maior investimento; a Internazionale topou gastar 27 milhões de euros e o City 32,75 milhões.   Os italianos exigiram a transferência imediata e os ingleses aguardaram o encerramento do nosso torneio de pontos corridos.

Os ‘tifosi’ receberam o artilheiro no aeroporto pleno, Os ‘supporters’ mostraram grande empolgação pela contratação do artilheiro promissor.

O impacto dos negócios e a expectativa gerada foram similares para a maioria dos analistas de futebol na Europa.

Desempenho na seleção é outra referência

A convocação inaugural de Tite teve os dois atletas.  O do Alviverde foi o único a entrar em campo.

Iniciou os jogos no time principal e brilhou com 2 gols dos 3 no resultado positivo diante do Equador. O pênalti que Neymar acertou foi no centroavante. Gabigol, desde então, foi uma das últimas opções dos três técnicos que a Inter teve na temporada.

A enorme disparidade após serem negociados

Gabriel Jesus continua em ascensão na Europa.  Agregou virtudes e aumentou a competitividade.

Mais decisões precisas no gramado,  que incluem acertos de assistências, finalizações, movimentação e contribuição ao sistema de marcação, rendem os elogios de Guardiola e da torcida.

Tenho convicção que o padrão de exigência do técnico renomado é maior que os de Frank de Boer, Stefano Piolli e do interino com o qual a Inter encerrará a temporada.

Gabigol entrou apenas 10 vezes no gramado.

Foi apresentado em Milão quatro meses antes do compatriota no City. Nunca atuou do início ao fim de qualquer jogo.   Começou na Copa da Itália diante do Bologna e saiu.  Nos do torneio de pontos corridos foi colocado sempre durante o 2°t. tem um gol na artilharia.  .

O atleta City foi cerca de quatro meses depois à Europa.  Apesar de necessitar de adaptação, rapidamente empolgou tanto o treinador quanto a torcida.

Fraturou o pé direito,  teve que ser operado, permaneceu 2 meses e meio ausente e, mesmo assim, comemorou 7 gols e 5 assistências.

Conseguiu número igual de jogos do concorrente pela vaga no elenco de Tite e a classificação para a Liga dos Campeões. .

O criticado permaneceu apenas 183 minutos em campo na Inter e o aplaudido 741 no City.

Os ingredientes do sucesso no futebol 

A Inter foi á Roma e ganhou da Lazio na última rodada. Gabriel, ao notar que o técnico fizera todas as alterações, foi embora antes do encerramento.

Isso mostra que os treinadores acertaram por oferecem poucas oportunidades ao centroavante. Havia outros atletas que gostariam de entrar no gramado, mas apenas um agiu como se fosse mais merecedor que os colegas do elenco.

O gesto foi consequência do que o dificulta para obter êxito na Itália. Apoiar quem atuou e conseguiu o inútil resultado positivo talvez seja uma das virtudes a agregar para elevar próprio desempenho.

Todos os atletas necessitam plena noção que formam o time e a técnica individual em prol do coletivo fortalece a possibilidade da conquista de torneios.

O centroavante pode ser eficaz na construção dos lances de gol, mas as vezes prefere o ‘de efeito’ e equivocado para mostrar capacidade. Aumenta a vulnerabilidade do sistema de marcação ou por achar que se joga apenas com a bola, ou pela incapacidade de avaliar a dinâmica no gramado e as necessidades dos jogos. Tem que somar tais virtudes essenciais e solidárias ao próprio futebol.

Contribuir antes de brilhar, oferecer como prioridade ao invés de receber, e aprender acima de mostrar são a receita.

Simples para quem ama o futebol

Abra a tabela de classificação, seja qual for o torneio, e ache o nome de jogador na pontuação. Há ‘apenas’clubes.

Em suma, o atleta entra no gramado para somar pontos necessários à agremiação. A prioridade é o resultado que, se conquistado com excelência técnica, gera mais alegria à maioria dos torcedores.

O centroavante do City, por exemplo, sabe. Entra em no gramado para somar pontos à agremiação.

Calos da experiência .

Gabigol é alguns meses mais velho e menos maduro para labutar no futebol. Poderá assimilar o que necessita.  Cada ser humano tem o próprio tempo, se for humilde para refletir e melhorar.

Os equívocos são normais para quem é tão novo, curte ostentação, e cogita o sonho tecnicamente impossível de ser Neymar.

Pediu perdão numa carta formal e com perfil de escrita pela assessoria. Merece indulgência como qualquer ser da natureza.

A temporada mostrará se quer acima de tudo agregar as virtudes ou provar que é craque de futebol.

]]>
43
Ganhadores do 1° turno conquistaram os maiores torneios nacionais da Europa http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/22/ganhadores-do-1-turno-conquistaram-os-maiores-torneios-nacionais-da-europa/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/22/ganhadores-do-1-turno-conquistaram-os-maiores-torneios-nacionais-da-europa/#comments Mon, 22 May 2017 08:52:20 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2685 De Vitor Birner

Esses conseguiram ampliar

Quem ganhou o turno dos maiores torneios de pontos corridos na Europa, encerrou a temporada comemorando.

Na Espanha, o Real Madrid obteve 2 a mais que o Barcelona e ampliou para 3 no returno. Os catalães ganharam o clássico no Bernabem e nem assim tiveram força para reverter o posicionamento na  classificação.

Na França, o Mônaco fez 3 pontos a mais que o PSG na metade inicial.  Aumentou para 8 no restante do campeonato. Impediu o penta dos parisienses.

O Benfica abriu 2 pontos para o Porto no turno e ampliou para meia dúzia no restante da temporada.

Na Alemanha, Bayern de Munique somou 3 pontos a mais que o Liepzig e encerrou 15 à frente na Bundesliga

Repare que todos os campeões citados ampliaram a vantagem no returno. Noutros países, aconteceu o contrário. A pontuação da primeira metade decidiu a conquista.

Disputa restrita ao norte da capital

Antonio Conte mostrou ao planeta conservador que o 3-4-3 com flutuação para o 4-5-1 é eficaz. Ninguém afirmava,antes do torneio, que o elenco dos ‘blues’ seria capaz de campanha tão regular e forte.

O Manchester United de Mourinho e Ibrahimovic foi elogiado antes do início e cogitado para retomar a hegemonia; o City poderia ser mágico sob as orientações de Guardiola, mas na prática o Tottenham foi o único a incomodar.

O gigante de Manchester encerrou em sexto. O clube mediano da cidade foi terceiro no torneio.

O de Pochettino e cia encerrou o turno 10 pontos atrás e foi segundo colocado na Premier League a 7 dos ganhadores.

A leitura dos números no futebol

A conquista pode ser construtiva para encerrar as análises de quem cita números frios ao respaldar plenamente argumentos sobre desempenhos e méritos.  Estatísticas são indispensáveis, desde que analisadas com sabedoria, ou apenas servem para reforçar palpites ao desprezarem as dinâmicas dos times em campo.

O Tottenham fez um gol a mais que os ‘Blues’,.e tomou menos.  O saldo, consequentemente, foi maior.

Além disso, perdeu menos. Foram 4 derrotas contra 5 do Chelsea nas 38 rodadas. Teve Kane como artilheiro do torneio.

A campanha diante da torcida foi muito acima da média.

Na última temporada no estádio em que atua desde 1899 – será demolido para a construção de uma Arena –  ninguém ganhou dos Spurs. O Leicester e o Liverpool foram os únicos que pontuaram. Conseguiram o empate.

O Chelsea obteve as 17 vitórias que o vice conseguiu diante dos próprios torcedores, mas houve dois tropeços.  O Cristal Palace e o clube de Jurgen Klopp ganharam no Stamford Bridge.

O problema dos Spurs foi a campanha noutros gramados. Os Blues, ao contrário, mantiveram o padrão e somaram a melhor pontuação seguidos pelo City, Manchester United e Liverpool.

Isso impediu o Tottenham de conquistar o torneio.

Nos jogos entre ambos uma comemoração de cada lado. Conte e cia conseguiram o 2×1 na ida e o oponente fez 2×0 em janeiro. Daquele momento em diante,  quem curte a Premier League sabe que o vice havia igualado ou ultrapassado por centímetros o padrão técnico e coletivo do campeão. Mas o desempenho dos clubes no turno inviabilizou que o em jejum ameaçasse a conquista.

Favorita mantém hegemonia e quer mais

A Juventus, na penúltima rodada, manteve os 4 pontos na frente da Roma e 5 do Napoli. Comemorou e poderá poupar o elenco na última rodada.

A prioridade é a Liga dos Campeões. Conseguiu gerenciar ambos os torneios porque no turno somou 7 a mais que o clube da capital e 9 que os ex de Maradona.

Tentará a inédita, para o clube, temporada plena de êxitos. Ganhou da Lazio com facilidade a Copa da Itália

Em nosso país

As rodadas iniciais do torneio de pontos corridos no Brasil merecem grande empolgação das torcidas, dirigentes, treinadores e elencos.

Podem ser decisivas nas conquista do troféu, vaga na Libertadores, ou permanência na elite do esporte.

Na maioria dos países da Europa sabemos, desde o começo, quem será campeão. Aqui na maioria das vezes podemos afirmar apenas se agremiação x ou y pertence ao grupo de favoritos.

O retrospecto nos pontos corridos  

O São Paulo ganhou em 2008. O Grêmio encerrara na liderança do turno. Essa foi a primeira vez que uma agremiação foi ultrapassada desde a implementação do atual formato. O mesmo aconteceu com o Internacional na temporada seguinte e Atlético em 2012,  ultrapassados por Flamengo e Fluminense;

Foram 14 edições do torneio.

Nas outras 11, nenhuma alteração houve na liderança da primeira metade e na do encerramento do encerramento do torneio de pontos corridos.

]]>
3
Robinho pediu para Roger optar por Fred em vez de L. Pratto; todos ganharam http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/18/robinho-pediu-para-roger-optar-por-fred-em-vez-de-l-pratto-todos-ganharam/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/18/robinho-pediu-para-roger-optar-por-fred-em-vez-de-l-pratto-todos-ganharam/#comments Thu, 18 May 2017 21:55:51 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2681 De Vitor Birner

O influente solicitou

Roger, no início da temporada, quis escalar Lucas Pratto e deixar Fred como opção. Preferia o ‘hermano’ por ser mais coletivo.

O elenco soube e Robinho, com alguns atletas, foi solicitar ao técnico a alteração do planejamento.

O treinador, ciente de que deveria ganhar o apoio do elenco,  ou na pior das hipóteses evitar que as lideranças entortassem o nariz, aceitou.

Esse episódio contribui para o Daniel Nepomuceno aceitar a negociação do centroavante ao Morumbi.

O elenco gostava do atleta que saiu. Mas Fred é avaliado como líder pela maioria, tal qual foi no Fluminense. Dificilmente pode ser questionado e muito menos retirado para outro artilheiro atuar. Robinho fez igual em agremiações da Europa.

Houve técnico incomodado com o centroavante, queda de braço para saber quem prevaleceria, e os cartolas nas Laranjeiras em quase todas apoiaram  o que joga futebol no entra no gramado.

Robinho foi citado por Craig Bellamy. O raçudo atacante galês reclamou da suposta panela nacional, que incluía Elano e Glauber,  e do pequeno esforço: “Eles não estavam nem aí para o que acontecia. Treinavam sem qualquer tipo de intensidade e reclamavam muito se algum colega lhes tirasse a bola, ” afirmou

São Paulo e Atlético ganhando

A dupla Fred e Robinho merece elogios pelo desempenho na temporada. É referência do clube classificado na Libertadores, ganhador no Estadual, e que pertence ao grupo de favoritos em todos os torneios.

O pedido para o treinador tem sido recompensado com esforço e resultados.  Facilitou para o Roger porque encerrou  o debate inevitável e provavelmente inútil para determinar qual centroavante deveria atuar ou se haveria como o trio ser escalado. Ao menos por enquanto, ninguém pode reclamar da iniciativa do atleta.

No Morumbi, Lucas Pratto sequer é citado em momentos de crise. Sabe o que a torcida quer e se empenha muito nos jogos. Agrega virtudes para o coletivo.

 

 

 

]]>
44
Santos foi heroico na Bolívia; classificação tem que unir torcida e elenco http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/18/santos-foi-heroico-na-bolivia-classificacao-tem-que-unir-torcida-e-elenco/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/18/santos-foi-heroico-na-bolivia-classificacao-tem-que-unir-torcida-e-elenco/#comments Thu, 18 May 2017 03:55:28 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2676 De Vitor Birner

The Strongest 1×1 Santos

O Santos foi maior que a altitude. Conseguiu empatar diante do time mais forte da Bolívia e se classificou.

Os 3 mil metros tornam o jogo atípico. Por isso, questões como habilidade e força coletiva, onde o tricampeão da Libertadores é mais competente, são sobrepujadas pelas dificuldades de os atletas correrem e pensarem dentro do gramado.

O brilhante Santos de Pelé, nos tempos em que o futebol exigia pouco fisicamente dos atletas, o estágio técnico dos brasileiros era superior e o dos bolivianos inferior ao atual,  tinha dificuldades em La Paz e quando os recebia goleava.

O empate com 10 jogadores foi uma façanha.

Jogo praticamente resolvido

O The Strongest joga com a altitude. Mantém o sistema de marcação adiantado para forçar os lançamentos do Santos ao campo de frente, torna o ritmo de jogo intenso, aumenta a velocidade e investe nos cruzamentos e finalizações de fora da área.

Dorival, por isso, preferiu o Ricardo Oliveira na reserva e iniciou com Hernández, Bruno Henrique, Vitor Bueno e Lucas Lima.

Sabia que tinha de atuar mais recuado do que prefere, que o oponente adiantaria todas as linhas a abriria lacunas, e recheou o meio de campo com atletas velozes e mais habilidosos no toque de bola. Pretendia congestionar a entrada da área e tentar a transição rápida para conseguir o gol.

A execução do que planejou ficou inviável após a exclusão tola de Bruno Henrique.

O atleta tinha amarelo e, incomodado com a catimba natural desse tipo de jogo, exagerou na tentativa de retomar a bola do Chumacero. Talvez nem tenha o acertado tal qual sugeriram as reclamações do artilheiro da Libertadores. Poderia ter evitado porque foi no campo de frente do líder do grupo.

Naquele momento,  apesar do resultado igual, o jogo praticamente tinha ganhador.

Seria necessário resistir quase 70 minutos para empatar. The Strongest ditava o ritmo, mantinha a bola no entorno da área de Vanderlei e, ainda no primeiro tempo, conseguiu o gol com o artilheiro do torneio.

O equívoco e a habilidade 

O Santos adiantou o sistema de marcação depois dos minutos regulamentares para o descanso dos atletas. O treinador provavelmente os orientou.,

A estratégia foi suicida. Abriu montes de lacunas no campo de trás,  o The Strongest teve muitos contra-ataques, foi incompetente nas finalizações, e os jogadores do Alvinegro tiveram que correr trechos maiores do gramado.

Ciente que teria na última rodada o eliminado Sporting Cristal, clube menos capaz do grupo, na Vila Belmiro, a proposta deveria ser aguardar atrás e nos últimos 10 ou 15 minutos ir à frente para tentar o empate.

O futebol mais uma vez quis contrariar a lógica.

O The Strongest atuava melhor e parecia que ampliaria o resultado, mas Lucas Lima driblou e entortou o lateral Pérez. Em seguida conseguiu a assistência irretocável para Vitor Bueno diante do goleiro  O artilheiro era o único santista na área onde havia 5 bolivianos e finalizou com facilidade para comemorar.

Relação de obstáculos para o Santos  

A altitude. O jogador a menos. O oponente inaugurando o resultado. A obrigação de o treinador protelar alterações técnicas e táticas porque as condições físicas poderiam determinar quem tinha de continuar em campo.

Esse monte de obstáculos bastam para adjetivar a classificação de heroica, mas outros tiveram que ser ultrapassados. Hernández reclamou o pênalti no início do 1°t.  O colombiano afirmou que foi empurrado no momento de finalizar em frente ao goleiro. A tal da lógica afirma que o lance não era para simulação.

Restando 5 ou 6 minutos houve o pênalti de Vanderlei em Pedrozo, após o goleiro ser driblado na área. Foi necessário, tal qual a sequência garantiu para a torcida.

Escobar investiu na cavadinha e a bola foi por cima do gol.

O equívoco tornou o Santos mais forte nos minutos finais. O The Strongest,ao invés de insistir em manter a dinâmica do jogo, discutiu por tudo.  Era o incômodo de quem sabia que teve tudo para ganhar e necessitava do resultado favorável.

Pequeno milagre para redimir e unir

Há torcedores que exigem desde o início da temporada mais empenho.  A postura e a classificação têm que garantir o voto de confiança ao treinador e elenco.

Sobrou raça para os atletas na conquista do resultado favorável.

A arquibancada e o grupo de jogadores necessitam aproveitar para remarem em igual direção. A manutenção do empenho tem que redundar em grande apoio, inclusive se houver os tropeços nos gramados.  Soma de raça e paz tendem a fortalecer a agremiação.

Ficha do jogo

The Strongest – Daniel Vaca; Diego Bejarano, Luis Maldonado, Fernando Marteli e Júlio Pérez; Raúl Castro, Walter Veizaga e Wayar; Chumacero, Escobar e Matías Alonso
Técnico: César Farías

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Cleber Reis e Copete; Leandro Donizete, Renato, Vitor Bueno, Lucas Lima e Bruno Henrique; Vladimir Hernández (Kayke)
Técnico: Dorival Júnior

Árbitro: Dario Herrera (Arg) – Assistentes: Diego Bonfá e Ivan Nuñes

 

]]>
24
Ceni tem que se preocupar em não perder o elenco; entrevistas dificultam http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/15/ceni-tem-que-se-preocupar-em-nao-perder-o-elenco-entrevistas-dificultam/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/15/ceni-tem-que-se-preocupar-em-nao-perder-o-elenco-entrevistas-dificultam/#comments Mon, 15 May 2017 17:55:09 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2668 De Vitor Birner

Construção do ambiente 

O treinador tem que proteger os atletas ao comentar atuações e exigir em particular, ao lidar com os próprios, concentração, esforço e o que achar necessário para elevar o padrão de futebol.

Críticas nos microfones podem dificultar a relação com o elenco. Se forem constantes, raramente geram resultados positivos.

Causo de exceção não é referência

Felipão saiu em alta do Grêmio para o Palmeiras, na época turbinado pela Parmalat, para conquistar a Libertadores. Tinha comemorado esse e mais torneios no Olímpico.

A insatisfação com o desempenho de alguns atletas fez o técnico divulgar por algum tempo quanto quilos tinham e qual seria o peso ideal. Assim, os acima do necessário seriam citados pelos jornalistas e os torcedores saberiam quem exagerava na alimentação.

Oseás foi criticado. Nos bastidores comentava-se que havia o esquema de jogador com a entrega da padaria, que conseguia infiltrar cervejas no CT   O centroavante decidia torneios e era personagem folclórico doo futebol no final do século anterior.

O Palmeiras ganhou a Libertadores.

Mas, lembro, havia o ‘tamanho’ do técnico com recentes conquistas no continente e dentro do país, elenco acima da média, e a transição dos clubes e jogadores na adaptação à Lei Pelé.

O centroavante, por exemplo, foi para o Alviverde antes de a legislação ser implementada.  Hoje a banda toca noutro ritmo.

Ninguém isento de críticas no Morumbi 

Rogério Ceni em algumas entrevistas citou os atletas que se equivocaram nos jogos, Após o tropeço na estreia do último torneio que restou para o clube na temporada, adjetivou de “medonho” o lance do único gol do jogo. Afirmou que não sabia quem bobeou e nem exatamente o que houve na lateral.

Tanto faz se foi difícil observar dentro do gramado qual atleta se equivocou. Quem assistiu ao jogo notou que Maicon demorou para correr à zaga. Havia a possibilidade do sistema de marcação fazer cobertura, mas o nome da falha é  do citado no parágrafo.  A afirmação do líder torna o equívoco mais pesado para o atleta gerenciar consigo e o torcedor.

Foi tão desnecessária quanto realista a afirmação. O zagueiro sabe que tinha de correr para trás.

O técnico lembrou que Rodrigo Caio bobeou noutro lance.

Tradicional cultura dos atletas de futebol

Maicon tem a mentalidade padrão do jogador de bola. Provavelmente se incomodou com as críticas por serem do líder que deve fortalecer a união do elenco para obter o melhor resultado possível no torneio de pontos corridos.

A tendência é o zagueiro silenciar.  Ninguém,no CT da Barra Funda contrapõe Rogério Ceni.  Isso não significa que o o jogador admire a sabedoria do técnico ao orientar o grupo de atletas.

Pode, por exemplo, ficar bravo porque tem correr atrás de atletas velozes na linha que divide o gramado; talvez ache desorganizada a recomposição do sistema de marcação.

Deve cogitar que o sistema de marcação mais bem preparado tomaria menos gols em cruzamentos.

De fora,  pode ter discordado de Lucão e Neilton no time enquanto Chávez e Lugano sequer foram relacionados na eliminação da Copa Sul-Americana; e avaliar como incoerente a opção, após duas semanas e meio de preparação,  do técnico nem colocar os nascidos aqui entre os reservas na estreia d torneio de pontos corridos.

As escolhas, dentro de campo, foram ineficazes.

Talvez haja alguns no elenco que as avaliem como medonhas. Ou quem se lembre do ex-goleiro oferecendo água para Ronaldinho e o craque, sozinho, recebendo a bola no arremesso lateral de Marcos Rocha, e dando assistência para Jô inaugurar o 2×1 na  Libertadores.

Os sábios observam os mais experientes  

Os treinadores conquistam a credibilidade dos atletas que orientam.  Isso é uma constante construção do coletivo.

A absoluta maioria dos jogadores respeita currículos tais quais o de Ceni, mas são insuficientes. Há distinções na dinâmica do futebol e na do o exército, onde a patente impõe hierarquia que torna inquestionáveis as ordens do superior na instituição.

Tite nunca fez igual desde quando ajustou a metodologia e se transformou no maior técnico do país.  Teve sabedoria para ganhar confiança de todo elenco no aspecto pessoal e no tático.

Serve de referência para quem pretende ter o apoio do elenco.

Nem adianta comparar com o que acontece na Europa. As agremiações do continente rico são inseridas noutra cultura, hábitos, comportamento e educação, o que inclui o convívio de jogadores noutro padrão em atividades além dos gramados.

]]>
86
São Paulo tem elenco melhor que o futebol do time; Ceni pode ser cobrado http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/12/sao-paulo-tem-elenco-melhor-que-o-futebol-do-time-ceni-pode-ser-cobrado/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/12/sao-paulo-tem-elenco-melhor-que-o-futebol-do-time-ceni-pode-ser-cobrado/#comments Fri, 12 May 2017 10:32:31 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2644 De Vitor Birner

Chão para caminhar

O São Paulo descansado com duas semanas e meia para se preparar, repetiu os equívocos e foi eliminado.

Ou foi um jogo abaixo do que mostrará nas rodadas iniciais do torneio de pontos corridos, ou há problemas de implementação das propostas de futebol. Nenhum time que se propõe a atuar no campo de frente pode ter dificuldade de ser organizado e veloz na recomposição do sistema de marcação,.

Nenhum time, seja ofensivo, ferrolho ou ‘na medida’, será ganhador com ineficácia ao interceptar os cruzamentos.

Esse é o beabá do futebol.

Os requisitos citados são essenciais. Há o vão de 36 metros entre as linhas do meio de campo e da área .

No torneio de pontos corridos, tanto as equipes mais fortes quanto as menos têm atletas e lances para a transição em velocidade. Os treinadores dos oponentes ressaltarão isso nas atividades antes de atuarem frente a agremiação do Morumbi.

Os equívocos pelo alto são ainda mais negativos para a campanha na temporada.  Os levantamentos na área, sejam da linha que divide o gramado ou rente a de fundo, são inevitáveis,  Tomar constantemente esses gols é a garantia de perder pontos e classificações,

Ceni é ambicioso e tem proposta de futebol refinado.

Após 5 meses da temporada era plenamente possível a implementação dos requisitos essenciais para alicerçar os mais difíceis de serem aprimorados.

É frustrante, para qualquer atleta, tomar gol tolo. Podem mexer com as emoções e posteriormente no rendimento individual e coletivo dentro do gramado.

Clube ‘hermano’ impôs o baile tático

O São Paulo permaneceu 7o% do 1° t com a bola e finalizou duas vezes.  O minúsculo clube estreante nos torneios continentais conseguiu quatro tentativas de fazer o gol.  ,

O goleiro Arias não teve que pegar uma sequer. A única em direção foi a que teve Thiago Mendes comemorando. Ambas aconteceram fora da área.

Todas as do oponente foram dentro e exigiram as participações de Renan. Em uma a zebra festejou o empate.

A capacidade para preencher as lacunas e alternar os avanços e recuos do sistema de marcação completaram o baile coletivo.

Os ‘hermanos’ atuaram tal qual as características do elenco sugeria. Têm atletas com menos técnica que os do Morumbi, sabiam tudo o que Ceni pretendia e, com humildade e sabedoria, investiram no que tinham mais forte.

O técnico Beccacece organizou sistema de marcação competitivo.. O desempenho no torneio nacional, esse ano, é elogiável.

O problema do time é a criação. Mesmo assim, após o golaço de Thiago Mendes, possível de ser evitado, a zebra foi para cima e em 5 minutos igualou.

As 3 finalizações foram dentro da área. Finalizou 3 vezes entro da área.

No restante do jogo foi superior, desperdiçou mais oportunidades para ganhar, Rivero sequer pulou para cabecear após o escanteio, Houve arremate com o pé,naquela região, em cruzamento iniciado na falta.

A classificação do Defensa foi mais que merecida

O técnico mais que os atletas 

Houve dois jogos. O treinador, em Buenos Aires, poupou.

Preferiu o estadual,  muito menos relevante ao clube que a Sul-Americana, e a Copa do Brasil.

Tropeçou em ambos no Morumbi. A estratégia e as alterações de ontem foram ineficazes.

Tinha elenco mais capaz que o dos classificados.

O torcedor que reclamar de Lucão e de qualquer atleta será inócuo, apesar da atuação para críticas. .Ceni, se avalia que o zagueiro é incapaz de cumprir a proposta, tinha opções. Podia mexer na escalação, adaptar a estrutura tática ou a dinâmica de futebol.

Era momento de conquistar a classificação. O São Paulo e os clubes da elite necessitam acertos e aprimoramento coletivo. Mas o laboratório do estadual foi fechado.  Ninguém que conhece o esporte pode reclamar que houve pouco empenho na eliminação.

Seria exagero imaginar o time pronto, após 5 meses de temporada, com a proposta ousada, atual, que Ceni implementa no Morumbi.

Tinha que ser competente no que é básico para ter regularidade no gramado.

As rodadas iniciais, que Guardiola afirma serem as mais relevantes para a conquista no torneio de pontos corridos, afirmarão se a comissão técnica soube aproveitar as atividades no CT da Barra Funda e a bagunça em campo diante ds ‘hermanos’ na Sul-Americana foi apenas uma daquelas noites em que o time rendeu muito menos do que podia. O elenco que pode mostrar mais futebol é zebra para festejar a conquista, mas  tem obrigação de se classificar para a Libertadores.

Aos ‘haters’ compulsivos e os sazonais   

As exigências para os os treinadores, cartolas e atletas são construtivas, se forem educadas e gentis, e houver sabedoria de futebol.

]]>
101
Semi na Liga dos Campeões pode ser o jogo mais tenso do torneio http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/10/semi-na-liga-dos-campeoes-pode-ser-o-jogo-mais-tenso-do-torneio/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/10/semi-na-liga-dos-campeoes-pode-ser-o-jogo-mais-tenso-do-torneio/#comments Wed, 10 May 2017 07:55:06 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2654 De Vitor Birner

O’milagre da remontada frente o maior algoz e rival, O último jogo da história no Vicente Calderón em Liga dos Campeões.

A torcida foi aos milhares para as ruas com bandeiras, sinalizadores, cantou muito no caminho ao hotel, onde estendeu uma grande faixa deixando claro o que espera dos atletas em campo: “”Hasta la última gota de sangre”.

Quer tudo que podem oferecer para o ”milagre’ se transformar em resultado favorável contra o time mais técnico, forte, habituado a ganhar e favorito.  O elenco foi à porta do hotel para aplaudir a torcida.

É difícil imaginar o clássico morno ou com tensão como se fosse apenas mais um com os clubes da capital. .

A rivalidade habitual é grande e foi aumentada depois de o Atlético tropeçar diante do Madrid em duas finais no torneio, uma na prorrogação após tomar gols nos acréscimos e a outra na série alternada de pênaltis.

A atuação letárgica no Santiago Bernabeu, pior em mata-mata de Liga dos Campeões desde a contratação de Simeone,  muito abaixo do padrão do próprio que garante ao time a competitivo em alto nível, grita para s jogadores tornarem o andamento intenso.

Em suma, a possibilidade de o grande entrar com os nervos à flor da pele, tateando os limites em todos os lances enquanto tiver fôlego e força, para tentar ganhar do gigante, é das maiores. A capacidade de se concentrar e lidar com emoções aumenta no cenário aquecido pela arquibancada mais barulhenta que a dos oponentes acostumados as conquistas em todas as temporadas.

O panelão pelando e com o fogo alto provavelmente iniciará e permanecerá aceso em grande parte do clássico.

Não duvido que em algum momento o Atlético, ao concluir que foi incapaz de ganhar pelo necessário resultado, ou se estiver perdendo, ou se S. Ramos, Cristiano e cia ditarem o ritmo, que apele às pancadas e talvez queira cavar o vermelho para quem atuará na final.

Desejo sorte para o Cüneyt Çakır e os assistentes Bahattin Duran e Tarik Ongun, o trio da Turquia, porque devem trabalhar bastante para impor as regras em campo.

Lembro que o Simeone pode sair  assim que o torneio espanhol for encerrado. O treinador lotado de virtudes para montar times, dependendo das circunstâncias do jogo,  nem sempre ajuda o elenco a manter a paz e é comportado à beira do gramado.

 

]]>
2
Estadual é pegadinha? Maioria dos campeões não se classifica à Libertadores http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/09/estadual-e-pegadinha-maioria-dos-campeoes-nao-se-classifica-a-libertadores/ http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/2017/05/09/estadual-e-pegadinha-maioria-dos-campeoes-nao-se-classifica-a-libertadores/#comments Tue, 09 May 2017 08:14:08 +0000 http://blogdobirner.blogosfera.uol.com.br/?p=2556 De Vitor Birner

Tem que avaliar

América, Santa Cruz e Internacional, ganhadores dos Estaduais na temporada anterior, foram rebaixados nos pontos corridos. O Palmeiras que tropeçou em São Paulo conquistou o principal torneio do país.

Na retrasada, Vasco e Goiás tiveram conquistas dentro dos estados e foram à segundona. O Corinthians orientado por Tite foi eliminado antes da final no de menores fronteiras e ganhou o das maiores.

Nessas duas temporadas, apenas o Atlético MG e o Santos*, entre todos os ganhadores nos Estaduais,  cumpriu o mínimo que exige a a torcida.

Conseguiu se classificar à Libertadores.

Apenas duas no grupo dos favoritos

Esses torneios disputados no inicio do nosso ano de futebol podem driblar a percepção de empolgados e deprimidos com os resultados. Conquistas e tropeços não servem necessariamente como referência para análises.

Dos que festejaram ontem, ninguém além de Atlético  Flamengo é favorito nos pontos corridos. O Corinthians, com o atual elenco, necessita mostrar muito mais futebol para entrar no grupo dos candidatos.

Me refiro ao panorama de momento.

O Alvinegro de Parque São Jorge pode contratar e subir de patamar; ou, tal qual mais agremiações que promoveram quantidade razoável de atletas das categorias de base,  torcer para adquirirem a sabedoria em campo e a efetividade que elevam os padrões individual e coletivo.

Ofertas dos chineses  e europeus são almejadas pelos jogadores. Haverá a janela de transferências que pode encerrar o ciclo de alguém que atualmente serve de alicerce para o futebol do clube.  É impossível, agora, afirmar quais serão aos elencos em toda a temporada.

A única certeza é que o resultado no estadual deve ser menosprezado como referência para avaliações. Quem quiser imaginar como será o brasileirão necessita observar a evolução na dinâmica de futebol das agremiações, a competência ao ser implementada, e o potencial dos elencos.

Sensatos sabem qual é mais forte

O Palmeiras tem possibilidades maiores que as do Corinthians no torneio de pontos corridos. Todos, inclusive o Fabio Carille, sabem qual é o elenco com melhores opções.

Isso valoriza, com embasamento técnico, a recente conquista.

Mas no torneio de regularidade, disputado durante meses, há tendência de o mais capazes sobressaírem aumenta, desde que cartolas e treinadores sejam competentes no gerenciamento dos atletas e implementação da proposta de futebol.

Há alguns outros elencos melhores que o de Itaquera.

Nas temporadas anteriores

Em 2014, o Cruzeiro ganhou o Estadual e o Nacional.

O Flamengo, campeão no Rio de Janeiro, foi o décimo colocado. O Inter festejou nos Pampas e encerrou em terceiro. O campeão Bahia desceu para a segundona.

O Ituano comemorou em São Paulo e sequer fazia parte da elite. O Santos, vice, foi o 9° no pontos corridos.

As agremiações de Itaquera e do Morumbi sequer disputaram a final do Estadual e se classificaram à Libertadores.

O Corinthians foi campeão Estadual em 2013 e 10° nos pontos corridos. O Atlético, ganhador nas Minas Gerais, encerrou em 8°. Conquistou a Copa do Brasil onde são comuns as zebras.

O Botafogo foi o único ganhador no estado e classificado, por intermédio dos pontos corridos, à Libertadores. O Inter encerrou na décima terceira colocação.

O Fluminense em 2012 comemorou em ambos os torneios. O Atlético, ganhador em Minas, foi o vice do maior no país. Santos e Internacional, campeões nos estados, encerraram respectivamente nas colocações oito e dez,

Em 2011, Corinthians foi campeão nacional, seguido por Vasco e Fluminense na classificação. Nenhum desses ganhou o estadual.

O Santos e Flamengo tinham comemorado em São Paulo e no Rio de Janeiro. Depois, nos pontos corridos, foram décimo e quarto colocados . O Inter então hegemônico no gaúcho acabou em quinto.

Os finalistas em Minas quase caíram. Apenas a pontuação dos rebaixados foi menor.

Em 2010, o Botafogo ganhou no Rio de Janeiro diante do Flamengo e foi sexto nos pontos corridos, onde o Rubro-Negro terminou quase na região da queda e o Fluminense festejou a conquista,

O Vitória comemorou o estadual e foi rebaixado naquela temporada,

Em 2009, o Flamengo foi campeão de ambos. O Corinthians, ganhador em São Paulo, terminou em 10° nos pontos corridos.

Sport e Náutico, finalistas em Pernambuco, encarraram nas últimas colocações.

Inter e Cruzeiro, campeões estaduais, se classificaram à Libertadores.

Em 2008,  Palmeiras conquistou o estadual e o São Paulo o torneio de pontos corridos.

Inter ganhou nos pampas e apenas o Grêmio se classificou para a Libertadores.

Figueira campeão estadual foi incapaz de permanecer na elite do nosso futebol.

Em 2007, Santos conquistou o estadual e o São Paulo fez igual no maior torneio do país.

Maioria sequer conseguiu a classificação  

Os clubes gaúchos, mineiros, paulistas e cariocas têm a absoluta maioria das conquistas dentro e fora do país.

Considerarei as 10 últimas temporadas apenas desses clubes para tornar mais claro como ganhar o estadual na maioria das vezes foi pouco representativo no Brasileirão.

Flamengo, Fluminense e Cruzeiro foram os que conseguiram conquistar ambos os torneios.

O Inter caiu e outros bateram na trave do rebaixamento.

Foram 40 campeões estaduais, vinte e três fraquejaram na competição mais forte do país. Apenas 17 se classificaram à Libertadores.

O aumento do número de vagas talvez mexa com a estatística. Ano passado foi inútil, pois nenhum campeão em tais estados aproveitou para se garantir nessas duas ‘de última hora’ para o torneio continental.

]]>
41